Economia

Brasil cria 35,9 mil vagas em julho e emprego formal sobe pelo quarto mês

O Brasil registrou saldo positivo pelo quarto mês seguido na criação de postos de trabalho formal. Foram criados 35,9 mil vagas formais em julho, resultado de 1.167.770 admissões e 1.131.870 desligamento. [Leia mais...]

[Brasil cria 35,9 mil vagas em julho e emprego formal sobe pelo quarto mês]
Foto : Valdecir Galor/SMCS

Por Laura Lorenzo no dia 09 de Agosto de 2017 ⋅ 16:55

O Brasil registrou saldo positivo pelo quarto mês seguido na criação de postos de trabalho formal. Foram criados 35,9 mil vagas formais em julho, resultado de 1.167.770 admissões e 1.131.870 desligamento. Divulgados pelo Ministério do Trabalho, os dados são do Cadastro Geral de Empregos e Desempregos (Caged).

Foram criadas 12.594 postos de trabalho formal no setor da Indústria, grande responsável pelo número, e 2.282 vagas no seguimento de produção de alimentos. Também tiveram resultados positivos o comércio (10.156 vagas abertas), serviços (7.714), agropecuária (7.055) e construção civil (724).

Já os serviços industriais de utilidade pública foram líderes de fechamento de postos com 1.125 empregos encerrados no mês. Em seguida, estão administração pública (-994) e extrativa mineral (-224). Dos 25 subsetores econômicos, 17 empregaram mais do que demitiram no últimos mês.

O acumulado dos sete primeiros meses do ano tem saldo de 103.258 vagas criadas. No mesmo período do ano passado, o saldo era negativo, com o encerramento de 623.520 postos de trabalho formal.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada