Economia

Preço da gasolina tem aumento de 1,9% na semana e bate recorde do ano

O preço médio da gasolina voltou a subir, na semana passada, e bate o recorde do ano, chegado a R$ 3,850 por litro. O levantamento feito pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), divulgado nesta terça-feira (12), se refere aos preços práticos nos postos de combustível brasileiros na semana encerrada na última sexta-feira (8). [Leia mais...]

[Preço da gasolina tem aumento de 1,9% na semana e bate recorde do ano]
Foto : Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Por Laura Lorenzo no dia 12 de Setembro de 2017 ⋅ 14:30

O preço médio da gasolina voltou a subir, na semana passada, e bate o recorde do ano, chegado a R$ 3,850 por litro. O levantamento feito pela Agência Nacional de Petróleo (ANP), divulgado nesta terça-feira (12), se refere aos preços práticos nos postos de combustível brasileiros na semana encerrada na última sexta-feira (8).

O preço nos postos reflete os reajustes que tem sido feitos pela a Petrobras nas refinarias. Em um prazo de sete dias, a estatal aumentou em 2,06% o valor da gasolina, até a sexta-feira. A Petrobras pode mudar diariamente o preço do combustível na refinaria, mas a decisão de repassar o valor ou não para o consumidor é feita pelos donos dos postos de combustíveis.

Para calcular o preço da gasolina na última semana, a Agência Nacional de Petróleo levantou dados em 3.160 postos de combustível em todos os estados do país.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada