Economia

Temendo desaceleração, bolsas asiáticas começam a semana no vermelho

Preocupadas com a desaceleração da economia chinesa, as bolsas de valores asiáticas começaram esta segunda-feira (24) em baixa. A tentativa das autoridades de tranquilizar os investidores não foi suficiente. Xangai lidera o ranking da desaceleração [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reuters

Por Gabriel Nascimento no dia 24 de Agosto de 2015 ⋅ 07:00

Preocupadas com a desaceleração da economia chinesa, as bolsas de valores asiáticas começaram esta segunda-feira (24) em baixa. A tentativa das autoridades de tranquilizar os investidores não foi suficiente. Xangai lidera o ranking da desaceleração. O índice da bolsa caiu 8,49%, a 3.209,91 pontos, depois de perder 9% durante a sessão. A bolsa de Shenzhen, a segunda maior da China, registrou queda de 7,70%, a 1.882,46 pontos. Tóquio registrou baixa de 4,61%. O índice Nikkei perdeu 895,15 pontos, a 18.540,68 unidades. A bolsa de Sydney perdeu 4,09%, o menor nível em dois anos. Taiwan perdeu 4,84% e Seul 2,47%.

Apesar da decisão anunciada na véspera pelo governo chinês de permitir aos fundos de pensões do país investir até um máximo de 30% de seus ativos na bolsa, as bolsas chinesas e de Hong Kong, começaram esta semana no negativo. De acordo com cálculos oficiais, a medida, tomada após grandes perdas nos pregões asiáticos, durante a última semana, poderia representar a entrada nos mercados de valores do país e até 2 trilhões de iuanes (US$ 328 bilhões).

Notícias relacionadas

[Novos aluguéis subiram abaixo da inflação em 2018, aponta Fipe]
Economia

Novos aluguéis subiram abaixo da inflação em 2018, aponta Fipe

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 10:40 em Economia

Em 2018, o Índice de Locação Residencial acumulou alta de 2,33% – abaixo da inflação do período, de 3,75%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, calculado...

[Inadimplência no país cresce 4,41% em 2018]
Economia

Inadimplência no país cresce 4,41% em 2018

Por Juliana Rodrigues no dia 15 de Janeiro de 2019 ⋅ 22:00 em Economia

Cerca de 62,6 milhões de brasileiros fecharam o ano com alguma conta em atraso e restrições no CPF, segundo dados da CNDL e do SPC