Economia

Compras para o Dia da Criança deve movimentar R$ 8,8 bilhões no comércio nacional

As compras para o Dia das Crianças devem gerar a movimentação de R$ 8,8 bilhões no comércio do país, de acordo com a pesquisa da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ) e Instituto Ipsos. Foram entrevistados 1.200 consumidores no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador e Recife, além de mais 64 outros municípios brasileiros. [Leia mais...]

[Compras para o Dia da Criança deve movimentar R$ 8,8 bilhões no comércio nacional]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Laura Lorenzo no dia 06 de Outubro de 2017 ⋅ 17:27

As compras para o Dia das Crianças devem gerar a movimentação de R$ 8,8 bilhões no comércio do país, de acordo com a pesquisa da Federação do Comércio do Estado do Rio de Janeiro (Fecomércio RJ) e Instituto Ipsos. Foram entrevistados 1.200 consumidores no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte, Florianópolis, Salvador e Recife, além de mais 64 outros municípios brasileiros, entre os dias 1º e 14 de agosto.

Segundo a pesquisa, os homens pretendem gastar mais que as mulheres, com média respectiva de R$ 147,63 e R$ 129,61. As opções preferidas para presentes para as crianças continuam sendo os brinquedos, com 61% das respostas. Em seguida vem roupas (20%), calçados (5%) e bicicletas (3%).

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada