Economia

Consumidor só pagará boleto vencido de até R$ 2 mil em qualquer banco a partir de 2018

O consumidor vai ter que esperar até 2018 para conseguir pagar boletos vencidos de até R$ 2 mil em qualquer agência bancária. Prevista para entrar em vigor a partir dessa segunda-feira (9), a possibilidade foi adiada. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a mudança foi feita por conta do grande volume de dados no novo sistema, de cerca de 4 bilhões de boletos por ano [Leia mais...

[Consumidor só pagará boleto vencido de até R$ 2 mil em qualquer banco a partir de 2018]
Foto : Marcos Santos/USP Imagens

Por Bárbara Silveira no dia 09 de Outubro de 2017 ⋅ 10:46

O consumidor vai ter que esperar até 2018 para conseguir pagar boletos vencidos de até R$ 2 mil em qualquer agência bancária. Prevista para entrar em vigor a partir dessa segunda-feira (9), a possibilidade foi adiada. De acordo com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), a mudança foi feita por conta do grande volume de dados no novo sistema, de cerca de 4 bilhões de boletos por ano.

Desde setembro, é possível pagar boletos atrasados iguais ou acima de R$ 2 mil em qualquer banco. De acordo com dados da instituição, estes valores alcançam 3,7% dos boletos emitidos no país. A Frebaban explicou ainda que, além do pagamento de boletos vencidos, o novo sistema vai permitir a identificação do CPF do pagador, cruzando os dados com o banco da Frebaban e facilitando o rastreamento das cobranças.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada