Economia

Grupo vai construir megaparque aquático em Sauipe; investimentos passam de R$ 500 mi

2018 promete ser um ano de grandes investimentos no Litoral Norte. Prova disso é a construção de um megaparque aquático em Mata de São João pelo grupo Rio Quente, que comprou o complexo hoteleiro da Costa do Sauípe no fim do ano passado por R$ 140,5 milhões. [Leia mais...]

[Grupo vai construir megaparque aquático em Sauipe; investimentos passam de R$ 500 mi]
Foto : Divulgação

Por Matheus Morais no dia 04 de Fevereiro de 2018 ⋅ 09:48

2018 promete ser um ano de grandes investimentos no Litoral Norte. Prova disso é a construção de um megaparque aquático em Mata de São João pelo grupo Rio Quente, que comprou o complexo hoteleiro da Costa do Sauípe no fim do ano passado por R$ 140,5 milhões.

Segundo o diretor de experiência, marketing e vendas do grupo, Flavio Monteiro, até 2020 serão investidos quase R$ 1 bilhão nos complexos. “O de Sauípe vai ser maior que o daqui”,disse. A previsão é investir cerca de R$ 500 milhões em três anos. O anúncio oficial será feito ainda este ano, quando os executivos do grupo esperam ter definido temas para os brinquedos. O Hot Park conta com 55 mil m² e foi eleito um dos dez melhores parques aquáticos da América do Sul pelo Traveller’sChoice, do TripAdvisor.

O parque aquático de Goiás tem a maior praia artifical com águas quentes e naturais do mundo, que ocupa uma área de 4 campos de futebol, uma Tirolesa, que simula um voo de 90 metros e alcança até 40 km/hora num percurso de 2,5 km, o Bird Land, um viveiro de 2 mil m² com cerca de 400 aves e o X Pirado, toboágua com 32 metros de altura e 142 de comprimento.

Além do megaparque, o grupo Rio Quente também pretende construir em Costa do Sauipe um Centro de Produção e Distribuição de Alimentos (CPDA), o que confere maior padronização, controle de qualidade, economia e agilidade neste segmento. O CPDA vai padronizar a produção de alimentos para os restaurantes de hotéis e pousadas em Sauipe com um investimento de R$ 20 milhões. A implantação começará em 2019 e a operação em 2020.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Aeroporto de Salvador só tem combustível para mais cinco dias]
EconomiaGREVE DOS CAMINHONEIROS

Aeroporto de Salvador só tem combustível para mais cinco dias

Por Rodrigo Daniel Silva no dia 24 de Maio de 2018 ⋅ 10:01 em Economia

De acordo com a Vinci Airports, o prazo de até sete dias é padrão e o abastecimento está regularizado; o terminal da capital baiana opera normalmente