Economia

Importadoras de combustíveis recorrem ao Cade contra Petrobras

As nove empresas importadoras de combustíveis que fazem parte da Associação Brasileira das Importadoras de Combustíveis (Abicom) acusam a Petrobras de praticar preços abaixo do mercado internacional. As instituições pediram que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abrisse uma investigação para detectar possíveis práticas de anticoncorrência na estatal. [Leiamais...]

[Importadoras de combustíveis recorrem ao Cade contra Petrobras]
Foto : Paulo Whitaker/ Reuters

Por Marina Hortélio no dia 06 de Março de 2018 ⋅ 21:21

As nove empresas importadoras de combustíveis que fazem parte da Associação Brasileira das Importadoras de Combustíveis (Abicom) acusam a Petrobras de praticar preços abaixo do mercado internacional. As instituições pediram que o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) abrisse uma investigação para detectar possíveis práticas de anticoncorrência na estatal.

Segundo informação do Valor Econômico, a Abicom deu entrada com representação no órgão de defesa da concorrência no fim de fevereiro. A companhia nega a acusação e aponta que o crescimento das importações por agentes comprova que a estatal não impõe obstáculos à atuação dos abastecedores.

De acordo com a Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), as empresas privadas foram responsáveis por 78,6% das importações de gasolina e 95,7% do diesel introduzido no país no ano passado.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Atividade econômica cresce 0,46% em abril]
Economia

Atividade econômica cresce 0,46% em abril

Por Metro1 no dia 15 de Junho de 2018 ⋅ 12:40 em Economia

O índice incorpora informações sobre o nível de atividade dos três setores da economia: indústria, comércio e serviços e agropecuária, além do volume de impostos

[PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal]
Economia

PIB do país pode patinar em 1,3%, diz jornal

Por Metro1 no dia 11 de Junho de 2018 ⋅ 13:40 em Economia

Segundo o Estadão, a tendência será confirmada caso a trajetória atual das contas do governo permanecer inalterada e nenhuma nova reforma fiscal for aprovada