Economia

EUA pedem cotas do aço do Brasil

O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, afirmou em reunião com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, que para que o Brasil consiga isenção permanente das tarifas sobre o aço, o governo deve concordar com a restrição voluntária de exportações e estabelecimento de cotas. [Leia mais...]

[EUA pedem cotas do aço do Brasil]
Foto : Wilbur Ross, secretário de Comércio dos EUA | Evan Walker/The White House

Por Marina Hortélio no dia 12 de Abril de 2018 ⋅ 18:42

O secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, afirmou em reunião com o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, que para o Brasil conseguir isenção permanente das tarifas sobre o aço, o governo deve concordar com a restrição voluntária de exportações e estabelecimento de cotas. Um acordo igual foi negociado com a Coreia do Sul. A proposta é um desdobramento da imposição de sobretaxas ao aço e e alumínio.

As tarifas impostas ao Brasil, Coreia do Sul, Argentina, Austrália e UE foram suspensas até 30 de abril, período de negociação sobre exclusão definitiva das sobretaxas. Os Estados Unidos são os maiores compradores de aço brasileiro. Calcula-se que as tarifas podem gerar perda anual de US$ 1,1 bilhão.

Diferentemente de Seul, o governo brasileiro resiste à redução voluntária de exportações e não pretende fazer concessões em outros produtos fora da cadeia do aço. Contra o acordo, a administração do Brasil argumenta que as taxas vão prejudicar diretamente as siderúrgicas americanas.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Produção de petróleo no país cai 1,5% em junho]
Economia

Produção de petróleo no país cai 1,5% em junho

Por Clara Rellstab no dia 17 de Julho de 2018 ⋅ 14:20 em Economia

De acordo com a Petrobras, a redução foi causada pela parada para manutenção da Unidade Flutuante de Produção, Armazenamento e Transferência, em Paraty

[Vendas do varejo caem 0,6% em maio, diz IBGE]
Economia

Vendas do varejo caem 0,6% em maio, diz IBGE

Por Clara Rellstab no dia 12 de Julho de 2018 ⋅ 17:20 em Economia

Na série sem ajuste sazonal, o comércio varejista cresceu 2,7% em relação a maio de 2017 – foi a 14ª taxa positiva seguida