Economia

‘Devíamos ter feito há 20, 30 anos’, diz economista sobre reforma da Previdência

Além de gastar muito, opina Hélio Zylberstajn, “gastamos mal” com os funcionários públicos e com os militares

[‘Devíamos ter feito há 20, 30 anos’, diz economista sobre reforma da Previdência]
Foto : Divulgação

Por Clara Rellstab no dia 06 de Fevereiro de 2019 ⋅ 09:07

O economista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Hélio Zylberstajn reforçou o coro da necessidade da reforma da Previdência, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã de hoje (6). 

“O Brasil gasta muito com Previdência e ainda é um país relativamente jovem. Nós estamos envelhecendo rapidamente, a expectativa de vida está crescendo e a quantidade de jovens é cada vez menor. Parece até que os brasileiros esqueceram como é que faz filho”, brinca. 

Segundo Zylberstajn, a reação negativa à proposta enviada pelo presidente Michel Temer (MDB) e a divulgação dos áudios da JBS na véspera da votação, dá uma ideia “ideia da resistência que ela causa”. “Muitas pessoas se sentem atingidas nos seu interesses, privilégios”, pondera.

Hoje, explica o professor, os jovens brasileiros são os responsáveis pelo pagamento da aposentadoria dos velhos e, de acordo com ele, “só isso bastaria para a necessidade da reforma”. Além de gastar muito, opina, “gastamos mal” com os funcionários públicos e com os militares.

O país paga entre 13% e 14% do seu Produto Interno Bruto (PIB) com a aposentadoria. O governo, em seus três níveis, arrecada 33% - ou seja, um terço disso é gasto com aposentadoria. “Isso impede o crescimento, porque não sobra dinheiro para investimento, sobra pouco para educação. Devíamos ter feito isso há 20, 30 anos”, resume. 

Notícias relacionadas

[Copom deve manter de novo juro básico em 6,5% ao ano]
Economia

Copom deve manter de novo juro básico em 6,5% ao ano

Por Clara Rellstab no dia 06 de Fevereiro de 2019 ⋅ 07:00 em Economia

Essa deverá ser a última reunião do Copom comandada pelo atual presidente da instituição, Ilan Goldfajn, levado ao cargo pelo ex-presidente Michel Temer (MDB)