Quinta-feira, 23 de setembro de 2021

Esportes

Justiça do Rio anula eleição de presidente da CBF e nomeia interventores

Decisão contesta assembleia que mudou peso dos votos e que posteriormente elegeu Rogério Caboclo (foto), hoje presidente afastado

Justiça do Rio anula eleição de presidente da CBF e nomeia interventores

Foto: Lucas Figueiredo / CBF

Por: Metro1 no dia 26 de julho de 2021 às 16:11

Uma decisão da Justiça do Rio de Janeiro anulou a Assembleia Geral da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), que mudou a forma de votação para a presidência de entidade. O efeito produzido pela sentença publicada nesta segunda-feira (26) é a anulação da eleição de Rogério Caboclo para a presidência da CBF, ocorrida em abril de 2018.

De acordo com a sentença do juiz Mario Cunha Olinto Filho, da 2ª Vara Cível da Barra da Tijuca do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, e o presidente da Federação Paulista de Futebol, Reinaldo Carneiro Bastos, foram nomeados para comandar a entidade por 30 dias. Neste período, eles terão que organizar uma nova eleição e não poderão concorrer ao cargo.

Como a decisão é em primeira instância, ainda cabe recurso.

O juiz aceitou o pedido do Ministério Público, que não contesta a eleição em si, mas a Assembleia Geral da CBF que determinou as regras para a realização da eleição. Em 2017, os presidentes de federações alteraram o peso dos votos da eleição, sem consultar os clubes da Série A.

A CBF entende que a eleição não pode ser anulada, porque a ação foi proposta em 2017 – e a eleição só ocorreu em 2018. A entidade deve recorrer da decisão do juiz da 2ª Vara Cível da Barra.

Com a decisão desta segunda, Caboclo e os oito vice-presidentes eleitos estão afastados. Apesar do estatuto da CBF prever que o diretor mais velho assuma o cargo na vacância do poder e faça uma nova eleição em 30 dias, o magistrado decidiu convocar os presidentes do Flamengo e da Federação Paulista para ocupar o comando da entidade até nova eleição.

Crise - A CBF atravessa a maior crise da sua história desde maio. Caboclo foi afastado pela Comissão de Ética do Futebol dois dias depois de uma funcionária da entidade o acusar de assédio moral e assédio sexual.

Desde então, Caboclo e Marco Polo Del Nero, ex-presidente da entidade, travam nos bastidores uma disputa pelo comando da CBF. Del Nero foi afastado do cargo em 2017 pela Fifa acusado de receber propina. Caboclo tenta retomar o cargo por meio de um recurso apresentado ao STJD.

Justiça do Rio anula eleição de presidente da CBF e nomeia interventores - Metro 1