Esportes

'Querem fazer uma ilegalidade no Vitória', diz Paulo Catharino

Ex-presidente do Conselho Deliberativo do Vitória comentou o pedido de renúncia do colegiado de conselheiros e o arquivamento do pedido para instaurar uma AGE no clube

['Querem fazer uma ilegalidade no Vitória', diz Paulo Catharino]
Foto : Matheus Simoni/Metropress

Por Matheus Simoni no dia 11 de Fevereiro de 2019 ⋅ 19:40

O ex-presidente do Conselho Deliberativo do Vitória Paulo Catharino Gordilho Filho comentou o pedido de renúncia do colegiado de conselheiros e o arquivamento do pedido para instaurar uma Assembleia Geral Extraordinária (AGE) no clube. O movimento tinha como objetivo convocar novas eleições para a diretoria rubro-negra. Em entrevista hoje (11) ao Papo Com Tillé, da Rádio Metrópole, ele declarou que os representantes desse movimento tentam um movimento "imoral" e "ilegal".

"Lutamos muito para estabelecer a democracia no clube, a reforma do estatuto e a observância da legalidade. O que a gente percebe hoje são movimentos extremamente desprovidos de legalidade, de maneira irresponsável, que prejudicam muito diretamente o Esporte Clube Vitória. Isso me empunha a tomar uma atitude firme, onde não parece para o torcedor ou qualquer outra pessoa que eu estivesse tomando essa decisão para preservar meu mandato ou meu cargo. A renúncia me foi imposta, mais importante do que meu cargo era fincar a bandeira da democracia, da legalidade e da seriedade [...]. O que querem fazer no Vitória é uma ilegalidade, uma imoralidade. A gente tem que ter cuidado e responsabilidade com o Vitória", disse.

Ainda de acordo com Catharino, a decisão pelo arquivamento da AGE contou com o parecer do advogado Fredie Souza Didier Júnior, professor e um dos juristas  mais renomados na área do direito processual civil. Além dele, o agora ex-presidente do Conselho disse que ouviu membros da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) antes de tomar a decisão.

"Não vejo esse ato meu como uma covardia. Se eu fosse covarde eu não tomaria essa decisão. Para mim era muito mais cômodo deixar a assembleia deliberar sobre um ato ilegal e sair de baixo do que adotar uma postura corajosa e impopulista, porque hoje o clamor é grande. Não vejo como um ato de covardia. Quem tenta colocar essa pecha em meu ato deve refletir sobre qual Vitória ele quer daqui para a frente", afirmou Paulo Catharino.

Questionado sobre os eventuais erros e acertos enquanto liderou o Conselho Deliberativo do Vitória, ele ponderou. "A bandeira da democracia e a reforma do estatuto são conquistas muito cara, que vieram de muita luta dos associados. O Vitória não está preparado para essa situação. O Vitória estava acostumado a tomar decisão em pequenos grupos. A democracia exige e impõe novos métodos de governança, e isso incomoda muita gente no Vitória", acrescentou o rubro-negro.

"A maioria quer o confronto, o desgaste e interesses próprios. Não é o torcedor, são esses movimentos de oposição. A gente prega a democracia, mas ninguém respeita o voto do torcedor. Qual é o clube que a gente quer construir? A gente não pode brincar de trocar presidente, qual é a mensagem para patrocinadores, para jogadores, para o clube e para os funcionários que trabalham lá?", questionou o dirigente. 

Notícias relacionadas

[Campeonato Brasileiro de Aspirantes terá duelo Ba-Vi ]
Esportes

Campeonato Brasileiro de Aspirantes terá duelo Ba-Vi

Por Aline Reis no dia 25 de Maio de 2019 ⋅ 13:00 em Esportes

Ontem (24) na estreia da competição, o Bahia bateu o Internacional por 3 a 0 em Pituaçu. O próximo confronto será contra o Ceará, na quinta-feira (30), às 15h, na Cidade...