Justiça

Presidente do STJ minimiza efeito cascata do reajuste de judiciário: 'papagaiada'

João Otávio de Noronha ainda defendeu que cada estado deve ser responsável por suas contas

[Presidente do STJ minimiza efeito cascata do reajuste de judiciário: 'papagaiada']
Foto : Valter Campanato / Agência Brasil

Por Leonardo Sousa no dia 20 de Novembro de 2018 ⋅ 18:00

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), João Otávio de Noronha, minimizou o efeito em cascata do reajuste salarial de 16,38% aos juízes federais, aprovado pelo Congresso.

Hoje (20), ao sair de um almoço entre lideranças do Judiciário e o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, Noronha afirmou que explicou a Guedes que o efeito em cascata "é uma papagaiada, não existe”. “A Constituição só vincula os tribunais superiores, 90 juízes.”, completou.

Além de Noronha e Guedes, participaram da reunião o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e os ministros do TCU (Tribunal de Contas da União) José Múcio e Raimundo Carrero.

O presidente do STJ ainda defendeu que cada estado deve ser responsável por suas contas para que não tenha as finanças prejudicadas. “Não pode querer transferir os problemas dos estados para a União, tem que ter responsabilidade. Está na hora de cada tribunal assumir o seu papel na realidade de cada estado", disse.

 

Notícias relacionadas