Justiça

Pagamento de auxílios a juízes dependerá de autorização do CNJ

Na decisão, o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, utilizou como critério a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman)

[Pagamento de auxílios a juízes dependerá de autorização do CNJ]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Por Daniel Brito no dia 22 de Dezembro de 2018 ⋅ 20:00

A Corregedoria Nacional de Justiça recomendou aos tribunais que o pagamento de valores como auxílio-moradia, auxílio-transporte, auxílio-alimentação ou qualquer outra verba extra a magistrados e servidores seja feito somente após o aval do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

Na decisão, o corregedor nacional de Justiça, ministro Humberto Martins, utilizou como critério a Lei Orgânica da Magistratura Nacional (Loman), que proíbe a concessão de adicionais ou vantagens que não estejam previstos na norma.

O ministro levou em conta também o caráter nacional da magistratura e a necessidade de transparência às rúbricas e aos valores pagos pelos tribunais aos magistrados.

Notícias relacionadas

[Moraes avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado]
Justiça

Moraes avalia ampliar varas colegiadas para crime organizado

Por Marina Hortélio no dia 07 de Janeiro de 2019 ⋅ 13:00 em Justiça

Proposta vai ser debatida em fevereiro durante encontro nacional, do qual participarão juízes criminais, juízes de execução penal e juízes corregedores de presídios

[MP pede que Google retire do ar vídeos de youtubers mirins]
Justiça

MP pede que Google retire do ar vídeos de youtubers mirins

Por Clara Rellstab no dia 02 de Janeiro de 2019 ⋅ 11:20 em Justiça

O promotor Eduardo Dias notificou empresas que aderiram à prática para tentar um acordo em que elas se abstenham de fazer propaganda disfarçada por meio de influenciadore...

[Conselho Nacional de Justiça finaliza 804 julgamentos em 2018]
Justiça

Conselho Nacional de Justiça finaliza 804 julgamentos em 2018

Por Alexandre Galvão no dia 27 de Dezembro de 2018 ⋅ 10:00 em Justiça

O CNJ esclarece, em nota, que no relatório não foram incluídos os processos julgados na 51ª Sessão Extraordinária, ocorrida no dia 18 de dezembro, no plenário do órgão