Usamos cookies para personalizar e melhorar sua experiência em nosso site e aprimorar a oferta de anúncios para você. Visite nossa Política de Cookies para saber mais. Ao clicar em "aceitar" você concorda com o uso que fazemos dos cookies

Justiça

Termina sem acordo mediação sobre impactos da saída da Petrobras em Salvador

Objetivo da audiência era encontrar meios de reduzir os impactos causados pelo fechamento da Torre Pituba

[Termina sem acordo mediação sobre impactos da saída da Petrobras em Salvador ]
Foto : Divulgação / MPT-BA

Por Adelia Felix no dia 15 de Outubro de 2019 ⋅ 16:33

Terminou sem acordo a audiência de mediação entre a Petrobras e o Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro), na manhã desta terça-feira (15), na sede do Ministério Público do Trabalho (MPT), em Salvador.

Na oportunidade, o MPT propôs que a Petrobras suspendesse a transferência dos seus funcionários da unidade na capital baiana e a demissão dos terceirizados enquanto fossem negociadas as medidas para redução dos impactos sociais. A estatal não aceitou a proposta e os procuradores decidiram arquivar a mediação.

O objetivo do processo de mediação era encontrar meios de reduzir os impactos causados pelo fechamento da Torre Pituba, que hoje opera com apenas 20% da sua capacidade. O Sindipetro estima que a decisão da petrolífera afeta diretamente 1,5 mil servidores que estão sendo transferidos para outras cidades e 2,5 mil terceirizados que estão perdendo seus empregos.

No entendimento do MPT, para investir na construção de um acordo, seria necessário que as partes demonstrassem, através da suspensão da transferência e das demissões, o compromisso com a redução dos impactos sociais. A ideia era que se pudesse abrir espaço para a avaliação de casos pontuais de trabalhadores que possam ter dificuldade de ser transferidos ou que não possam ser demitidos, além de permitir o acompanhamento da legalidade das dispensas de terceirizados.

A tentativa de mediação foi conduzida por um grupo de trabalho formado pelos procuradores Pedro Lino de Carvalho Júnior, Rômulo Almeida e Pacífico Rocha. Eles ouviram os representantes da Sindipetro, Jairo Batista e André Luís Araújo, e os gerentes da Petrobras José Venâncio e Selma Fontes.

Notícias relacionadas