Mundo

ONU pede libertação de Assange ao Reino Unido e Suécia

A liberação de Julian Assange, fundador do Wikileaks, foi pedida por especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira (5) às autoridades do Reino Unido e Suécia. [Leia mais...]

[ONU pede libertação de Assange ao Reino Unido e Suécia ]
Foto : Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 05 de Fevereiro de 2016 ⋅ 07:51

A liberação de Julian Assange, fundador do Wikileaks, foi pedida por especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta sexta-feira (5) às autoridades do Reino Unido e Suécia. Eles pediram ainda o respeito ao direito de Assange à liberdade de deslocamento. O grupo da ONU alegou que a privação de liberdade ilegal de longo prazo foi aplicada a Julian Assange por causa de uma investigação "pouco ativa" da procuradoria da Suécia. A detenção de Assange foi realizada em detrimento do direito internacional.

"A privação de liberdade de Assange deve ser cessada, a sua inviolabilidade pessoal e o direito à liberdade de deslocamento devem ser respeitas e que deve ter o direito à compensação", ressaltou a ONU. Em 2010, as autoridades suecas formalizaram acusações contra Assange por coerção sexual e estupro. Desde 2012, o fundador do WikiLeaks reside na embaixada do Equador em Londres para evitar extradição por autoridades suecas aos Estados Unidos, onde pode encarar processos criminais por espionagem e publicação de milhares de documentos confidenciais.

Notícias relacionadas

[Theresa May deve apresentar hoje 'plano b' para o Brexit]
Mundo

Theresa May deve apresentar hoje 'plano b' para o Brexit

Por Clara Rellstab no dia 21 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:47 em Mundo

De acordo com políticos europeus que acompanham o desdobramento das negociações, é um mistério o teor do acordo alternativo que será apresentado por Theresa May aos parla...

[Maduro pede encontro 'cara a cara' com Trump]
Mundo

Maduro pede encontro 'cara a cara' com Trump

Por Marina Hortélio no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 21:30 em Mundo

Maduro assumiu um segundo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro, que não é reconhecido pela oposição e por vários países