Mundo

Buscando apoio para Dilma, Evo Morales pede reunião de emergência da Unasul

Em busca de apoio para a presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente da Bolívia, Evo Morales, propôs neste sábado (19), uma reunião de emergência da União das Nações Sul-americanas (Unasul), no Brasil. [Leia mais...]

[Buscando apoio para Dilma, Evo Morales pede reunião de emergência da Unasul]
Foto : Reprodução/Novo Jornal

Por Gabriel Nascimento no dia 19 de Março de 2016 ⋅ 20:03

Em busca de apoio para a presidente Dilma Rousseff (PT) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o presidente da Bolívia, Evo Morales, propôs neste sábado (19), uma reunião de emergência da União das Nações Sul-americanas (Unasul), no Brasil. Durante um discurso na cidade de El Alto, Morales afirmou que a mobilização tem como o objetivo a defesa da democracia. "Esperamos que o nosso presidente da Unasul e presidente do Uruguai, Tabaré Vásquez, bem como todos os chefes de Estado da região se mobilizem", afirmou.

De acordo com a Associated Press, o presidente boliviano disse que o Brasil está a beira de "um golpe do Congresso" comandado por grupos oligárquicos dos Estados Unidos" para evitar que Lula seja candidato nas próximas eleições presidenciais. O chanceler uruguaio, Rodolfo Nin Novoa, afirmou na última sexta-feira (18) em Montevidéu que "está circulando em todos os países da Unasul fazendo um chamado e uma pedido que se respeite a ordem institucional no Brasil".  

 

Notícias relacionadas

[Theresa May deve apresentar hoje 'plano b' para o Brexit]
Mundo

Theresa May deve apresentar hoje 'plano b' para o Brexit

Por Clara Rellstab no dia 21 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:47 em Mundo

De acordo com políticos europeus que acompanham o desdobramento das negociações, é um mistério o teor do acordo alternativo que será apresentado por Theresa May aos parla...

[Maduro pede encontro 'cara a cara' com Trump]
Mundo

Maduro pede encontro 'cara a cara' com Trump

Por Marina Hortélio no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 21:30 em Mundo

Maduro assumiu um segundo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro, que não é reconhecido pela oposição e por vários países