Mundo

Pesquisa aponta que estupro corretivo em lésbicas peruanas é recorrente

O estupro corretivo no Peru é prática comum na tentativa de tornar hétero, mulheres lésbicas, conforme publicação recente do BBC online. Os especialistas do governo peruano e da sociedade civil garantem que essa violência não se trata de casos isolados. Tampouco esses estupros são refletidos nas pesquisas oficiais sobre violência no país. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/ Ag. Brasil

Por Bárbara Gomes no dia 23 de Agosto de 2015 ⋅ 16:06

O estupro corretivo no Peru é prática comum na tentativa de tornar hétero, mulheres lésbicas, conforme publicação recente do BBC online. Os especialistas do governo peruano e da sociedade civil garantem que essa violência não se trata de casos isolados. Tampouco esses estupros são refletidos nas pesquisas oficiais sobre violência no país.

Margarita Díaz Picasso, diretora-geral de Igualdade de Gênero e Não Discriminação do Ministério da Mulher e Populações Vulneráveis, ressaltou que a prática é recorrente na sociedade. Em pesquisa, as ativistas feministas também afirmaram que os registros não estão documentados, nem costumam ser denunciados, mas são conhecidos desde 2005.

Segundo a matéria do BBC, o termo estupro corretivo surgiu com o enfoque da pressão, alegando que é preciso castigar a opção sexual que foge da norma, segundo consta na pesquisa recente do Centro de Promoção e Defesa dos Direitos Sexuais e Reprodutivos e da Rede Peruana LGBT. Os dados mostram que a violência surge da própria família, ou no círculo de amigos. Uma das ativistas do Movimento Lesbia de Arequipano livro chegou a relatar que uma amiga lésbica foi estuprada pelo tio para "torná-la mulher". Tal estudo alerta para um tema importante que deve ser debatido não só na sociedade peruana.

Notícias relacionadas

[Maduro pede encontro 'cara a cara' com Trump]
Mundo

Maduro pede encontro 'cara a cara' com Trump

Por Marina Hortélio no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 21:30 em Mundo

Maduro assumiu um segundo mandato de seis anos no dia 10 de janeiro, que não é reconhecido pela oposição e por vários países

[Dois aviões russos colidem durante voo ]
Mundo

Dois aviões russos colidem durante voo

Por Kamille Martinho no dia 18 de Janeiro de 2019 ⋅ 12:40 em Mundo

Os aviões eram bombardeiros russos, que desenvolvem uma velocidade máxima de 1,6 mil quilômetros por hora