Mundo

Assessor de Trump pediu a empresa de Israel plano para manipular redes sociais

Ele tinha como objetivo ajudar a derrotar adversários do republicano nas primárias do partido e a opositora Hillary Clinton

[Assessor de Trump pediu a empresa de Israel plano para manipular redes sociais]
Foto : Mark Wilson/Getty Images

Por Marina Hortélio no dia 09 de Outubro de 2018 ⋅ 22:00

Antes das eleições americanas de 2016, um alto funcionário da campanha de Trump solicitou propostas de uma empresa israelense para a criação de identidades online falsas. 

Ele procurava manipular as redes sociais e obter informações para ajudar a derrotar adversários do republicano nas primárias do partido e a opositora Hillary Clinton. A informação foi revelada em entrevistas com envolvidos e com a divulgação de cópias das propostas.

De acordo com o New York Times, a campanha buscou o trabalho quando os russos começara a intensificar o esforço para ajudar Donald Trump.

O assessor sênior de Trump, Rick Gates, pediu uma proposta para a utilização de identidades falsas para enviar material direcionado a delegados na Convenção Nacional Republicana e atacar o senador Ted Cruz, o principal adversário de Trump nas primárias, para influenciar o voto do republicanos.

De acordo com cópias das propostas obtidas pelo The New York Times e entrevistas com quatro pessoas envolvidas no caso, outra proposta descreve pesquisas sobre a oposição e “atividades de inteligência complementar” sobre Hillary Clinton e pessoas próximas a ela.

Notícias relacionadas

[Sobe para 446 o nº de mortos após ciclone em Moçambique]
Mundo

Sobe para 446 o nº de mortos após ciclone em Moçambique

Por Aline Reis no dia 24 de Março de 2019 ⋅ 08:00 em Mundo

Ministro do meio ambiente do país afirma que 531 mil pessoas foram afetadas, sendo 110 mil no campo. Outras 259 pessoas morreram no Zimbábue e 56 pessoas, no Malaui.