METROPOLE

Quinta-feira, 06 de maio de 2021

Mundo

Em oitavo dia de protestos, mais de 1,2 milhão de pessoas se reúnem em marcha no Chile

É a maior manifestação registrada no país desde o retorno da democracia, em 1990

Em oitavo dia de protestos, mais de 1,2 milhão de pessoas se reúnem em marcha no Chile

Foto: Pedro Ugarte/ AFP

Por: Juliana Almirante no dia 26 de outubro de 2019 às 10:47

Mais de 1,2 milhão de pessoas se reuniram em um protesto pacífico na praça Itália, em Santiago, no Chile, ontem (25), no oitavo dia de protestos no país.

Mais de um quinto da população da cidade, formada por 5,6 milhões de habitantes, foi às ruas, de acordo com a Folha.

É a maior manifestação registrada no país desde o retorno da democracia, em 1990. 

O número foi divulgado por um órgão da capital que é vinculado ao Ministério do Interior e da Segurança Pública.

A mobilização desta sexta (25), chamada pelos ativistas de "a maior marcha do Chile", foi feita por meio das redes sociais.

Alguns confrontos isolados ocorreram nas proximidades do palácio de La Moneda, sede da Presidência do Chile, também em Santiago. As forças de segurança utilizaram jatos de água e bombas de gás lacrimogêneo para afastar os manifestantes. 

Em mensagem publicada em uma rede social, o presidente Sebastián Piñera elogiou a manifestação. "Todos nós escutamos a mensagem. Todos nós mudamos", declarou ele.  

A cerca de 110 km dali, na cidade de Valparaíso, o Congresso Nacional foi esvaziado por volta do meio-dia por ordem do presidente da Câmara dos Deputados, Iván Flores, após confrontos com a polícia que ocorriam do lado de fora da Casa Legislativa.

Ele afirmou que a medida foi preventiva e que não havia muitos funcionários no prédio, onde ocorria sessão da Comissão de Trabalho.

"Não é uma evacuação, mas sugeri que eles [os parlamentares] voltassem para casa", defendeu Flores.

TV METRO

Comentários

Camila Vasconcelos

Em 06 de maio de 2021
ASSINE O CANALMETROPOLE NO YOUTUBE
Em oitavo dia de protestos, mais de 1,2 milhão de pessoas se reúnem em marcha no Chile - Metro 1