Polícia

PM nega agressão a durante manifestação de estudantes na Uneb

A Polícia Militar da Bahia negou ter agido com violência durante o acompanhamento das manifestações dos estudantes da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) no bairro do Cabula, realizada na noite da última quinta-feira (1). Os universitários protestavam contra o governo Temer. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução/ Facebook

Por Luiza Leão no dia 02 de Setembro de 2016 ⋅ 13:27

A Polícia Militar da Bahia negou ter agido com violência durante o acompanhamento das manifestações dos estudantes da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) no bairro do Cabula, realizada na noite da última quinta-feira (1). Os universitários protestavam contra o governo Temer.

A declaração que nega as acusações estudantis de agressão, foi divulgada à imprensa através de nota. "A PM esclarece que não houve agressão física e nem prisão de manifestantes, bem como nenhum policial adentrou na referida instituição de ensino. A 23ª CIPM, unidade responsável pelo policiamento do bairro, permaneceu no local em acompanhamento até o término da manifestação", esclareceu.

Ainda segundo a PM, os agentes tentaram negociar a liberação da rua Silveira Martins, principal via de acesso ao Hospital Roberto Santos, bloqueada pelos estudantes da Uneb, mas "em virtude da forte reação contrária à liberação da via, foi utilizado spray de pimenta como último recurso".

Os universitários relataram que o protesto acontecia pacificamente, com gritos de ordem e cartazes. "Chegou um camburão e com arma apontada em nossa direção acompanhada de empurrões, fomos obrigados a sair da pista. Truculência, armas de fogo apontadas para cabeça de estudantes e tentativas arbitrárias de prisão”, disse uma estudante que preferiu não se identificar.

Notícias relacionadas

[Ação da PM em Lauro de Freitas deixa dois mortos]
Polícia

Ação da PM em Lauro de Freitas deixa dois mortos

Por Matheus Simoni no dia 16 de Setembro de 2018 ⋅ 17:30 em Polícia

Eles foram flagrados com pistola, revólver e munições, além de ter envolvimento com o tráfico de drogas, segundo a polícia