Polícia

Bahia é terceiro estado com mais mortes causadas por intervenções policiais

Intervenções policiais causaram na Bahia 299 mortes apenas no ano de 2015. O número coloca o estado em terceiro lugar do país em letalidade policial, ficando atrás apenas de São Paulo (848) e Rio de Janeiro (645). Os dados fazem parte do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado parcialmente nesta sexta-feira (28). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Reprodução / GovBA

Por Laura Lorenzo no dia 28 de Outubro de 2016 ⋅ 17:20

Intervenções policiais causaram na Bahia 299 mortes apenas no ano de 2015. O número coloca o estado em terceiro lugar do país em letalidade policial, ficando atrás apenas de São Paulo (848) e Rio de Janeiro (645). Os dados fazem parte do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado parcialmente nesta sexta-feira (28).

O levantamento do anuário mostrou ainda que 19 policiais morreram na Bahia no mesmo ano, foram 16 agentes fora de serviço e três durante o serviço. O número de morte de policiais diminuiu, se comparado a 2014, quando 27 foram mortos. Já o número de vítimas de intervenções policiais aumentou, uma vez que em 2014 foram 278 casos.

Foram ao todo 6.338 Mortes Violentas Intencionais (MVI) na Bahia em 2015, o que posiciona o estado no primeiro lugar do ranking nacional de MVIs. A Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), contudo, questionou os números divulgados pelo anuário, e salientou que não há padronização na contagem de Crimes Violentos Letais Intencionais no Brasil, o que gera números distorcidos. "Comparar os estados nordestinos, inclusive a Bahia, que não utiliza a categoria 'mortes a esclarecer', com federações que utilizam essa nomenclatura é desigual", respondeu a SSP-BA por meio de uma nota, acrescentando ainda que as diferenças de metodologia "induzem a um erro grosseiro" que protege estados que se “utilizam de subterfúgios que mascaram a realidade das grandes metrópoles".

A SSP-BA alegou que alguns estados contabilizam, por exemplo, chacinas como um único crime, enquanto a Bahia considera cada morte um crime individual, e que essa diferença torna o levantamento impreciso.  "A SSP-BA entende que enquanto não houver a padronização na metodologia utilizada na contagem, não há como fazer comparativos fiéis à realidade", completa. 

Até o fechamento desta matéria, a Polícia Militar não tinha se pronucniado sobre os dados. 

Notícias relacionadas

[Ação da PM em Lauro de Freitas deixa dois mortos]
Polícia

Ação da PM em Lauro de Freitas deixa dois mortos

Por Matheus Simoni no dia 16 de Setembro de 2018 ⋅ 17:30 em Polícia

Eles foram flagrados com pistola, revólver e munições, além de ter envolvimento com o tráfico de drogas, segundo a polícia