Política

"Impopularidade não é crime", diz Wagner sobre possível impeachment de Dilma

O ministro da Casa Civil e encarregado da articulação política do governo federal, Jaques Wagner (PT), avaliou à Rádio Metrópole o momento da presidente Dilma Rousseff (PT) e as possibilidades de que ela sofra o impeachment. Segundo o ex-governador da Bahia, as recentes conquistas do governo no Supremo Tribunal Federal (STF) dão força para a superação da crise.

[
Foto : Antonio Cruz/Agência Brasil

Por Felipe Paranhos no dia 29 de Dezembro de 2015 ⋅ 08:39

O ministro da Casa Civil e encarregado da articulação política do governo federal, Jaques Wagner (PT), avaliou à Rádio Metrópole o momento da presidente Dilma Rousseff (PT) e as possibilidades de que ela sofra o impeachment. Segundo o ex-governador da Bahia, as recentes conquistas do governo no Supremo Tribunal Federal (STF) dão força para a superação da crise.

"Fundamentalmente, na área jurídica, o governo melhorou por causa do STF, e o PCdoB ingressou no STF questionando o rito do impeachment. Isso tudo foi uma reflexão dentro do governo. Nas questões principais, nós vencemos: o Senado teve supremacia e o Supremo deu a dimensão que o processo precisa. O processo é tão grave que não pode ser tratado de forma corriqueira e banal. O STF acabou com a banalização e com a tentativa de uso [político] do impeachment. Eu participo de um governo que não está num bom momento. Eu sei das dificuldades, da economia. Mas impopularidade não é crime: é problema, é defeito, é algo que pode ser sanado. Nós temos que melhorar a gestão da política, do emprego. É claro que a decsão do supremo foi um trabalho de juristas, dos nossos aliados. Não dá para tratar o impedimento como o tapetão de uma disputa eleitoral", declarou.

Notícias relacionadas

[MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 réus]
Política

MPF reforça pedido de condenação de Lula e mais 12 réus

Por Matheus Simoni no dia 11 de Dezembro de 2018 ⋅ 10:26 em Política

O imóvel, que é atribuído ao petista, é alvo de uma denúncia do órgão, que afirma que as empreiteiras Odebrecht e OAS compraram e pagaram por melhorias no sítio

[Benito Gama é alvo da Polícia Federal ]
Política

Benito Gama é alvo da Polícia Federal 

Por Alexandre Galvão no dia 11 de Dezembro de 2018 ⋅ 06:52 em Política

Segundo a PF, o senador Aécio Neves comprou apoio político do Solidariedade, por R$ 15 milhões