Política

Cunha diz que impeachment vai continuar após STF esclarecer dúvidas

Durante café da manhã com jornalistas nesta terça-feira (29), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que só dará prosseguimento ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) esclarecer dúvidas que afirma terem restado sobre o trâmite do procedimento. [Leia mais...]

[Cunha diz que impeachment vai continuar após STF esclarecer dúvidas]
Foto : Gustavo Lima/Câmara dos Deputados

Por Matheus Simoni no dia 29 de Dezembro de 2015 ⋅ 17:01

Durante café da manhã com jornalistas nesta terça-feira (29), o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que só dará prosseguimento ao processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) esclarecer dúvidas que afirma terem restado sobre o trâmite do procedimento.

O peemedebista declarou já está preparando um recurso ao STF chamado de embargo de declaração, que serve para esclarecer dúvidas sobre o julgamento, e que deve ser protocolado em 1º de fevereiro, na volta dos trabalhos do Poder Judiciário. Segundo Cunha, só após isso que será dado prosseguimento, imediatamente no dia seguinte.

"Não há nenhum intuito de protelar. Vamos supor que o plenário aprove e a gente vai instalar a comissão especial. Quando instalar a comissão especial vai ser como? Vai ser eleição secreta ou aberta? Vai poder ter candidaturas [avulsas] ou não vai ter candidaturas? Então vai gerar um impasse no primeiro dia, é preferível que esclareça, porque eles não esclareceram esse rito todo", declarou Cunha. "A gente ainda não tem segurança total de como dar essa continuidade", resumiu o parlamentar.

Notícias relacionadas

[Justiça nega mais um habeas corpus a Dalva Sele]
Política

Justiça nega mais um habeas corpus a Dalva Sele

Por Alexandre Galvão no dia 17 de Agosto de 2018 ⋅ 15:30 em Política

Ela foi processada pelo Ministério Público Eleitoral após denunciar suposta prática de desvio de verba praticada pelo então candidato Rui Costa (PT)