Política

Neto diz que declaração de Wagner é "o primeiro sinal de autocrítica do PT"

Após o ministro chefe da Casa Civil, e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, ter dito que o PT "se lambuzou" no poder, a frase teve uma repercussão no meio político. Na manhã desta quarta-feira (6), foi a vez do prefeito de Salvador, ACM Neto, opinar. Ele disse que "esse é o primeiro sinal de autocrítica" do partido. [Leia mais...]

[Neto diz que declaração de Wagner é
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia e Matheus Morais no dia 06 de Janeiro de 2016 ⋅ 08:39

Após o ministro chefe da Casa Civil, e ex-governador da Bahia, Jaques Wagner, ter dito que o PT "se lambuzou" no poder, a frase teve uma enorme repercussão no meio político. Na manhã desta quarta-feira (6), foi a vez do prefeito de Salvador, ACM Neto, opinar. Ele disse que "esse é o primeiro sinal de autocrítica" do partido.

Durante entrevista à Rádio Metrópole, Neto ainda falou que isso pode dar condições para a presidente Dilma colocar o Brasil no eixo. "Ou o PT muda e permite que o governo conduza uma mudança ou não sei o que vai acontecer. Se ela [Dilma] passar pelo impedimento, tem que ser feita essa autocrítica", declarou.

Na semana passada, Wagner concedeu entrevista à Metrópole na qual falou sobre os esforços do governo federal para superar a crise. Confira a entrevista completa:

Notícias relacionadas

[Lava Jato quer proibir Lula de usar cela como comitê de campanha]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Lava Jato quer proibir Lula de usar cela como comitê de campanha

Por Marina Hortélio no dia 15 de Agosto de 2018 ⋅ 17:00 em Política

Os procuradores da força-tarefa da Lava Jato solicitaram que a senadora Gleisi Hoffmann, fique impedida de atuar como advogada do ex-presidente Lula no processo de execuç...

[Lula deve ser um dos três candidatos mais ricos]
Política

Lula deve ser um dos três candidatos mais ricos

Por Clara Rellstab no dia 15 de Agosto de 2018 ⋅ 12:00 em Política

A cifra é superior ao de Geraldo Alckmin (PSDB), Ciro Gomes (PDT), Alvaro Dias (Podemos), Jair Bolsonaro (PSL) e Marina Silva (Rede) somados