Política

Em meio à crise, Dilma diz que é preciso "encarar a reforma da Previdência"

Durante um café da manhã com jornalistas na manhã desta quinta-feira (7), a presidente Dilma Rousseff (PT), afirmou que o país terá que "encarar" uma reforma na Previdência Social. [Leia mais...]

[Em meio à crise, Dilma diz que é preciso
Foto : Roberto Stuckert Filho/PR/Fotos Públicas

Por Gabriel Nascimento no dia 07 de Janeiro de 2016 ⋅ 12:23

Durante um café da manhã com jornalistas nesta quinta-feira (7), a presidente Dilma Rousseff (PT), afirmou que o país terá que "encarar" uma reforma na Previdência Social. A reforma citada, é vista como uma medida urgente para sanar as contas públicas. A proposta, no entanto, sofre resistência de importantes segmentos de apoio ao Executivo Federal, como o PT e centrais sindicais.

"Não se pode achar que isso vai afetar os direitos adquiridos. As coisas afetam daqui para frente. E há outro problema: o tempo de transição. Ninguem faz uma reforma dessas sem considerar o período de transição levando em conta os direitos adquiridos", afirmou a presidente. Na reunião, Dilma disse que o governo vai buscar o reequilíbrio fiscal para controlar a inflação. De acordo com a presidente, o objetivo é colocar a inflação no centro da meta, de 4,5%. "O reequilíbrio fiscal é fundamental para a redução da inflação. Temos que reduzi-la. Nosso objetivo é que volte o mais rápido possível para o centro da meta e o mecanismo é  o reequilíbrio fiscal", disse.

Dilma citou ainda as medidas que devem ajudar na recuperação da economia, como a volta da CPMF e a aprovação da Desvinculação de Receitas da União (DRU). "Um dos pontos é aprovar a CPMF. É visível que estados e municípios precisam deste recurso. Asseguro que uma parte resolve. A CPMF não é só para o reequilíbrio fiscal, mas uma questão de saúde pública", completou.

 

Notícias relacionadas

[ACM Neto admite que Haddad já está no segundo turno]
Política

ACM Neto admite que Haddad já está no segundo turno

Por Alexandre Galvão / Gabriel Nascimento no dia 25 de Setembro de 2018 ⋅ 08:43 em Política

Para o democrata, a popularidade de Haddad se deve ao desempenho do partido no Nordeste e à vitória do "discurso do golpe"