Política

"Rui quis apenas alertar para o problema da violência", diz secretário; entenda

O secretário de Comunicação do Estado, André Curvello, rebateu as críticas feitas pelo procurador de Justiça, Rômulo Moreira, que durante entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta sexta-feira (22), afirmou que o governador Rui Costa (PT) foi "infeliz" ao declarar que os pais de menores infratores devem ser indiciados pelos atos infracionais cometidos pelos filhos. [Leia mais...]

[
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Gabriel Nascimento no dia 22 de Janeiro de 2016 ⋅ 10:08

O secretário de Comunicação do Estado, André Curvello, rebateu as críticas feitas pelo procurador de Justiça, Rômulo Moreira, que durante entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta sexta-feira (22), afirmou que o governador Rui Costa (PT) foi "infeliz" ao declarar que os pais de menores infratores devem ser indiciados pelos atos infracionais cometidos pelos filhos. De acordo com o secretário, Rui não tem "pretensão de mudar leis" e sim de alertar as famílias sobre o "grave problema da violência".

"Isso não pode ser discutido com teorias. Ele [Rui Costa] não é jurista, não é advogado. Ele é um economista, um administrador, mas vive com o povo, conhece a realidade (...) ele quis chamar atenção das famílias", ressaltou. "Não vamos ter uma educação de qualidade se a família estiver presente, isso tem que ser tratado de uma maneira transparente. As famílias têm responsabilidade sim sobre seus filhos. Ele quis apenas levar esse assunto sem hipocrisia", completou.

 

Notícias relacionadas

[PF faz buscas em endereços de Ciro Nogueira do PP]
Política

PF faz buscas em endereços de Ciro Nogueira do PP

Por Clara Rellstab no dia 22 de Fevereiro de 2019 ⋅ 07:17 em Política

Cerca de 30 policiais federais cumprem 7 mandados de busca e apreensão nas cidades de Teresina, Brasília e São Paulo

[Ex-assessor diz que dava 2/3 do salário a Queiroz]
Política

Ex-assessor diz que dava 2/3 do salário a Queiroz

Por Clara Rellstab no dia 22 de Fevereiro de 2019 ⋅ 06:46 em Política

O depoente, que, assim como Queiroz, é policial militar, disse que ganhava aproximadamente R$ 6 mil por mês como assessor de Flávio