Política

“É uma perda de tempo”, afirma Imbassahy sobre “Conselhão”

O deputado federal Antônio Imbassahy, líder eleito do PSDB na Câmara disse, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quarta-feira (27), sobre as dificuldades enfrentadas no Brasil durante o ano passado. Segundo Imbassahy, essa dificuldade ainda permanece no país. [Leia mais...]

[“É uma perda de tempo”, afirma Imbassahy sobre “Conselhão”]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Paloma Andrade e Matheus Morais no dia 27 de Janeiro de 2016 ⋅ 08:36

O deputado federal Antônio Imbassahy, líder eleito do PSDB na Câmara disse, em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta quarta-feira (27), sobre as dificuldades enfrentadas no Brasil durante o ano passado. Segundo Imbassahy, essa dificuldade ainda permanece no país. “2015 não acabou. A gente está sentindo tanta dificuldade pela frente. Conversei com muita gente no Brasil e fiquei muito assustado. A crise na economia todos conhecem bem. Esse Conselhão [Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social] mais parece uma árvore de natal, não vai resolver nada, é uma perda de tempo. Aquilo não resolve nada”, afirmou.

O parlamentar criticou o novo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, por mais de um mês de mandato sem tomar providências, e disse ser contra a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). “O novo ministro da Fazenda tomou posse em 21 de dezembro e não aconteceu nada. Ele só fala em reformular a Previdência Social e implementar a CPMF. O PSDB não vai aceitar a volta da CPMF. Ontem estive em Maceió e disse que não contem com a bancada do PSDB para aprovar nenhum novo imposto”.

Imbassahy ainda apontou a presidente Dilma Rousseff (PT) como responsável por não conseguir mudar a situação vivida no país. “Temos uma presidente com um mandato sem nenhuma condição de tirar o Brasil de uma crise que o próprio PT colocou. Vivemos uma tragédia, a inflação do jeito que está. O desemprego é a face mais cruel de tudo. Quanto estamos numa economia assim, na verdade é um cenário desfavorável, as perspectivas são péssimas. Vamos ter boa vontade no sentido de melhorar a economia”. 

Notícias relacionadas