Política

Sandro Régis critica 'Bahia do PT' e diz que governo deixa de cumprir promessas

O deputado estadual Sandro Régis (DEM) fez uma previsão sobre o que se espera do ano de 2016 no Legislativo estadual. Em entrevista ao Metro1, o democrata afirmou que aguarda que o governo cumpra as promessas feitas no ano passado. "A expectativa de trabalho é de uma oposição firme, unida e coesa, que irá fiscalizar essa Casa e apontar os erros". [Leia mais...]

[Sandro Régis critica 'Bahia do PT' e diz que governo deixa de cumprir promessas]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Matheus Simoni e Matheus Morais no dia 01 de Fevereiro de 2016 ⋅ 15:22

O deputado estadual Sandro Régis (DEM) fez uma previsão sobre o que se espera do ano de 2016 no Legislativo estadual. Em entrevista ao Metro1, o democrata afirmou que aguarda que o governo cumpra as promessas feitas no ano passado. "A expectativa de trabalho é de uma oposição firme, unida e coesa, que irá fiscalizar essa Casa e apontar os erros. A todo instante que a Bahia e os baianos precisarem da oposição, nós estaremos a favor do povo da Bahia. Não somo oposição ao nosso estado e sim ao modelo PT de governar", disse Sandro.

O parlamentar criticou o governador Rui Costa e pediu que mais transparência à gestão estadual. "Espero que ele comece a cumprir as promessas de 2015. Fizemos um levantamento e, até agora, não foi cumprido quase nada da mensagem de 2015. Esperamos que o governador não venha com factoides da 'Bahia do PT', que é bastante diferente da Bahia que nós vivemos, e que ele traga a verdade. A situação do nosso estado é muito difícil, está paralisado no interior e tem problemas sérios na Saúde, na Educação e na Segurança Pública", criticou.

Questionado sobre a permanência ou não na representação da liderança da oposição na Assembleia, Sandro Régis declarou que a decisão cabe aos seus pares. "São os deputados que vão decidir, teremos reunião 17 de fevereiro para discutir todos esses assuntos. Nosso trabalho foi feito, nossa bancada é muito unida. Qualquer que seja a decisão, será de consciência de todos", pontuou.

Notícias relacionadas