Política

Camaçari: MP pede revogação de habeas corpus e volta de Elinaldo para cadeia

A promotora do Ministério Público Maria Adélia Bonelli encaminhou um parecer à 1ª Vara Criminal que pede a revogação do habeas corpus que permitiu a soltura do vereador e pré-candidato à Prefeitura de Camaçari pelo Democratas, Antônio Elinaldo. [Leia mais...]

[Camaçari: MP pede revogação de habeas corpus e volta de Elinaldo para cadeia ]
Foto : Reprodução / Bahia no Ar

Por Matheus Morais no dia 10 de Fevereiro de 2016 ⋅ 16:15

A promotora do Ministério Público Maria Adélia Bonelli encaminhou um parecer à 1ª Vara Criminal que pede a revogação do habeas corpus que permitiu a soltura do vereador e pré-candidato à Prefeitura de Camaçari pelo Democratas, Antônio Elinaldo. Ele foi preso no mês de dezembro do ano passado, acusado de comandar um esquema de corrupção ativa, sonegação fiscal, exploração de jogos de azar e lavagem de dinheiro. Além dele, outras três pessoas tiveram a prisão decretadas, entre eles: Cristiano Araújo da Silva, Ivan Pedro Moreira de Souza - que estão foragidos - e Pedro de Souza Filho. Um dia depois da detenção, Elinaldo foi liberado devido a uma medida cautelar expedida por uma juíza substituta.

"A prisão preventiva de Antonio Elinaldo e dos corréus Cristiano Araújo da Silva, Ivan Pedro Moreira de Souza e Pedro de Souza Filho foi decretada em decisão suficientemente fundamentada, não merecendo qualquer reparo", disse a promotora ao site Bocão News. Além disso, o fato de dois dos acusados estarem foragidos, também conta contra Elinaldo. 

A Operação Caronte, que prendeu Elinaldo, buscava coibir crimes cometidos por uma quadrilha, composta pelo líder da oposição na Câmara Municipal de Camaçari e pré-candidato a prefeito e outras quatro pessoas. Segundo o diretor do Draco, Jorge Figueiredo, a quadrilha atuava na região limítrofe entre Camaçari e Salvador.

 

Notícias relacionadas

[Candidatura de Garotinho é impugnada]
Política

Candidatura de Garotinho é impugnada

Por Clara Rellstab no dia 20 de Agosto de 2018 ⋅ 17:00 em Política

De acordo com a coluna Radar, da revista Veja, a suspensão foi feita com base na condenação por “ato doloso de improbidade administrativa"