Política

Justiça marca para março depoimento de Lula como testemunha de Bumlai

Os depoimentos ocorrem na ação penal em que Bumlai e mais dez investigados na Operação Lava Jato foram denunciados pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. [Leia mais...]

[Justiça marca para março depoimento de Lula como testemunha de Bumlai]
Foto : Tácio Moreira / Metropress

Por Camila Tíssia no dia 12 de Fevereiro de 2016 ⋅ 07:59

Foi marcado para o dia 14 de março, pelo juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal em Curitiba, o depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como testemunha de defesa do pecuarista José Carlos Bumlai. A oitiva de Lula será feita por meio de videoconferência, na Justiça Federal em São Paulo, às 9h30. Para o mesmo dia, Moro marcou depoimentos de outras testemunhas arroladas pela defesa do pecuarista. Os depoimentos ocorrem na ação penal em que Bumlai e mais dez investigados na Operação Lava Jato foram denunciados pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo a acusação do Ministério Público Federal (MPF), Bumlai usou contratos firmados com a Petrobras para quitar empréstimos com o Banco Schahin. De acordo com a Agência Brasil, os procuradores afirmam que depoimentos de investigados que assinaram acordos de delação premiada revelam que o empréstimo de R$ 12 milhões se destinava ao PT e foi pago mediante a contratação da Construtora Schahin como operadora do navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras, em 2009.

Desde o surgimento das primeiras denúncias, o PT sustenta que todas as doações obtidas pelo partido foram feitas de forma legal e declaradas às autoridades. A Schahin afirma que o modelo de contratação dos navios-sonda foi o mesmo praticado pela Petrobras com todas as concorrentes que prestaram o mesmo serviço.

Notícias relacionadas

[ Pacote de Moro propõe ampliar confisco de bens]
Política

Pacote de Moro propõe ampliar confisco de bens

Por Clara Rellstab no dia 23 de Janeiro de 2019 ⋅ 11:40 em Política

Promessa de campanha do presidente Jair Bolsonaro (PSL), as mudanças na legislação visam a fortalecer o combate à corrupção e ao crime organizado