Política

Congresso retorna atividades na terça com discussão sobre cassação de Cunha

Depois do carnaval, os deputados e senadores voltam às suas atividades na terça-feira (16). Os trabalhos devem se concentrar nas discussões sobre os processos de cassação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do senador Delcídio do Amaral (PT-MS). [Leia mais...]

[Congresso retorna atividades na terça com discussão sobre cassação de Cunha]
Foto : Agência Brasil

Por Matheus Morais no dia 14 de Fevereiro de 2016 ⋅ 14:44

Depois do carnaval, os deputados e senadores voltam às suas atividades na terça-feira (16). Os trabalhos devem se concentrar nas discussões sobre os processos de cassação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e do senador Delcídio do Amaral (PT-MS).


O petista, preso na Operação Lava Jato, tem até a próxima quinta-feira (18) para apresentar defesa ao Conselho de Ética e convencer os colegas de que não quebrou o decoro parlamentar ao oferecer dinheiro e sugerir uma rota de fuga para livrar o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró da prisão.


Já o Conselho de Ética da Câmara vai voltar a analisar o parecer do deputado Marcos Rogério (PDT-RO) pela continuidade das investigações contra, Eduardo Cunha. A votação desse relatório, em dezembro, foi anulada pelo vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), a pedido de Carlos Marun (PMDB-MS), ambos aliados de Cunha.


O relatório do senador Acir Gurgacz (PDT-RO) com parecer contrário ao entendimento do Tribunal de Contas da União (TCU) que recomendou a rejeição das contas do governo de 2014 também deve ser discutido por agora. O relatório defende a aprovação, com ressalvas, das contas da presidente Dilma Rousseff. A votação do relatório deve acontecer até 6 de março. 

 

Notícias relacionadas

[ACM Neto admite que Haddad já está no segundo turno]
Política

ACM Neto admite que Haddad já está no segundo turno

Por Alexandre Galvão / Gabriel Nascimento no dia 25 de Setembro de 2018 ⋅ 08:43 em Política

Para o democrata, a popularidade de Haddad se deve ao desempenho do partido no Nordeste e à vitória do "discurso do golpe"