Política

Relator relê parecer pela continuidade de processo contra Cunha no Conselho

Em mais uma sessão do Conselho de Ética da Câmara, na tarde de hoje, o deputado Marcos Rogério (PDT), relator do processo contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha, releu o parecer pela continuidade das investigações, por suposta quebra de decoro parlamentar. Após a leitura nesta quarta, o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD), concedeu vista de dois dias úteis para que os deputados analisem o parecer preliminar antes da votação. [Leia mais...]

[Relator relê parecer pela continuidade de processo contra Cunha no Conselho]
Foto : Fabio Rodrigues Pozzebom/ Agência Brasil

Por Stephanie Suerdieck no dia 17 de Fevereiro de 2016 ⋅ 19:02

Em mais uma sessão do Conselho de Ética da Câmara, na tarde de hoje, o deputado Marcos Rogério (PDT), relator do processo contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha, releu o parecer pela continuidade das investigações, por suposta quebra de decoro parlamentar. A expectativa era de que a leitura ocorresse ontem, porém o deputado informou que iria analisar antes o “aditamento” de provas feito pelo PSOL ao documento. “Voto pela admissibilidade da representação, considerando apta tanto a peça inicial, como a juntada de novas imputações às quais acolho como aditamento à inicial e as considero como integrantes desta para todos os fins. E que assim decidindo este conselho, por sua presidência, determine o regular processamento da representação, notificando-se o representado para apresentação de defesa no prazo regimental”, leu o relator.

A reapresentação do parecer se tornou necessária após a anulação, pelo vice-presidente da Câmara, Waldir Maranhão (PP), da votação, em dezembro do ano passado, que aprovou o relatório preliminar de Marcos Rogério pela continuidade das investigações. Após a leitura nesta quarta, o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD), concedeu vista de dois dias úteis para que os deputados analisem o parecer preliminar antes da votação.

Enquanto alguns deputados peemedebistas tentam postergar a votação do parecer do relator, a defesa do presidente da Câmara tenta, em ação no Supremo Tribunal Federal (STF), obter mais tempo para defender o parlamentar junto ao Conselho de Ética. “A defesa tem o direito aos 10 dias e trazer os seus argumentos para eles serem analisados e considerados pelo relator, mas ainda da admissibilidade, porque a abertura de um processo já é uma punição. E é isso que a defesa está querendo levar em consideração. E é isso que a defesa está solicitando”, afirmou o advogado de Cunha, Marcelo Nobre.

Na próxima semana, haverá nova discussão sobre o caso. Cada integrante do conselho e líder partidário terá 10 minutos para se pronunciar. Além disso, o advogado de Cunha, Marcelo Nobre, também poderá se manifestar em defesa do cliente.

 

 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Defesa de Lula rebate afirmação de Moro ao STF]
Política

Defesa de Lula rebate afirmação de Moro ao STF

Por Metro1 no dia 23 de Junho de 2018 ⋅ 16:30 em Política

Os advogados de Lula argumentam que a “indisposição” de Moro para cumprir a decisão da 2ª Turma da Corte ressalta a “constante afronta” ao STF

[Bolsonaro decide fugir de debates na TV no primeiro turno]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Bolsonaro decide fugir de debates na TV no primeiro turno

Por Metro1 no dia 22 de Junho de 2018 ⋅ 20:00 em Política

Sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa pelo Palácio do Planalto, o deputado federal tem liderado todas as pesquisas de intenção de votos.

[Fachin arquiva pedido de liberdade de Lula]
Política

Fachin arquiva pedido de liberdade de Lula

Por Metro1 no dia 22 de Junho de 2018 ⋅ 19:31 em Política

"Verifico a inadmissão superveniente do aludido recurso excepcional, providência que acarreta a alteração do quadro processual", justificou ministro do STF

[Justiça homologa delação de Antonio Palocci]
Política

Justiça homologa delação de Antonio Palocci

Por Metro1 no dia 22 de Junho de 2018 ⋅ 17:40 em Política

Ex-ministro foi condenado pelo juiz Sergio Moro em junho do ano passado a 12 anos de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva