Política

Ministro Teori Zavascki revoga prisão de senador Delcídio do Amaral

Preso desde novembro de 2015, após ter sido gravado oferecendo propina para que o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, não aceitasse a delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) teve a pena revogada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, nesta sexta-feira (19). [Leia mais...]

[Ministro Teori Zavascki revoga prisão de senador Delcídio do Amaral]
Foto : Reprodução/G1

Por Bárbara Silveira no dia 19 de Fevereiro de 2016 ⋅ 14:14

Preso desde novembro de 2015, após ter sido gravado oferecendo propina para que o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró, não aceitasse a delação premiada, o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) teve a pena revogada pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Teori Zavascki, nesta sexta-feira (19).

De acordo com Zavascki, o senador poderá voltar a exercer o seu mandato e deve manter o  recolhimento domiciliar no período noturno e dias de folga. Em caso se ser afastado ou cassado do mandato, Delcídio deverá ficar em recolhimento domiciliar integral até nova demonstração de ocupação lícita.

 

Comentarios

Notícias relacionadas

[Bolsonaro decide fugir de debates na TV no primeiro turno]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Bolsonaro decide fugir de debates na TV no primeiro turno

Por Metro1 no dia 22 de Junho de 2018 ⋅ 20:00 em Política

Sem o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na disputa pelo Palácio do Planalto, o deputado federal tem liderado todas as pesquisas de intenção de votos.

[Fachin arquiva pedido de liberdade de Lula]
Política

Fachin arquiva pedido de liberdade de Lula

Por Metro1 no dia 22 de Junho de 2018 ⋅ 19:31 em Política

"Verifico a inadmissão superveniente do aludido recurso excepcional, providência que acarreta a alteração do quadro processual", justificou ministro do STF

[Justiça homologa delação de Antonio Palocci]
Política

Justiça homologa delação de Antonio Palocci

Por Metro1 no dia 22 de Junho de 2018 ⋅ 17:40 em Política

Ex-ministro foi condenado pelo juiz Sergio Moro em junho do ano passado a 12 anos de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva