Política

Empreiteiras afirmam ter colaborado com a PF desde o início da Lava Jato

A construtora Odebrecht, cujo dono e presidente, Marcelo Odebrecht, e diretores foram detidos nesta sexta-feira (19) pela Polícia Federal (PF) na 14ª fase da Operação Lava Jato. [Leia mais...]

[Empreiteiras afirmam ter colaborado com a PF desde o início da Lava Jato]
Foto : Tatiana Santiago/ G1

Por Gabriel Nascimento no dia 19 de Junho de 2015 ⋅ 11:31

A construtora Odebrecht, cujo dono e presidente, Marcelo Odebrecht, e diretores foram detidos nesta sexta-feira (19) pela Polícia Federal (PF) na 14ª fase da Operação Lava Jato, considerou “desnecessária” a ação. A Andrade Gutierrez negou qualquer relação com o esquema de superfaturamento de contratos da Petrobras, investigado pela operação.

Em nota, a Odebrecht comunicou que “sempre esteve à disposição das autoridades” e confirmou que mandados de prisão, busca e apreensão foram cumpridos nos escritórios da empresa em São Paulo e no Rio de Janeiro na manhã desta sexta-feira (19). A Andrade Gutierrez, também em nota, disse estar prestando “todo o apoio necessário” aos seus executivos presos.

Agentes da Polícia Federal estão cumprindo 59 mandados judiciais nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, sendo 38 de busca e apreensão, nove de condução coercitiva, oito de prisão preventiva e quatro de prisão temporária.

Deflagrada em março de 2014, a operação Lava Jato desarticulou um esquema de superfaturamento de contratos da Petrobras para pagamento de propina a agentes públicos e privados. Também foram identificados práticas ilícitas semelhantes em contratos de publicidades do Ministério da Saúde e da Caixa Econômica Federal.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Supremo libera a volta do programa Internet para Todos]
Política

Supremo libera a volta do programa Internet para Todos

Por Clara Rellstab no dia 17 de Julho de 2018 ⋅ 13:40 em Política

"Esse programa é fundamental para desenvolvimento regional, para inclusão social e para alavancar o país", afirmou em nota o ministro Gilberto Kassab