Política

Renúncia de Cunha é defendida por 76% dos brasileiros, aponta Datafolha

Uma pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (29), revelou que 76% dos eleitores defendem a renúncia do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). [Leia mais...]

[Renúncia de Cunha é defendida por 76% dos brasileiros, aponta Datafolha]
Foto : Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento no dia 29 de Fevereiro de 2016 ⋅ 11:39

Uma pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada nesta segunda-feira (29), revelou que 76% dos eleitores defendem a renúncia do presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). De acordo com o instituto, houve um aumento de 11 pontos percentuais em relação ao levantamento realizado em dezembro do último ano, quando 65% queriam a saída do parlamentar do comando da Casa.

O estudo desta segunda aponta ainda que 78% dos entrevistados são favoráveis a uma eventual cassação do peemedebista. Anteriormente, este número era de 82%. A variação está dentro da margem de erro de dois pontos percentuais para mais ou menos. 2.768 pessoas com mais de 16 anos foram ouvidas em 171 municípios.

Cunha é investigado pelo Conselho de Ética da Câmara por quebra de decoro parlamentar. Ele é acusado de mentir na CPI da Petrobras quando afirmou que não tinha contas na Suíça. O parlamentar também é investigado na Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). A discussão deve voltar à Câmara ainda nesta semana.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...