Política

Marcelo Nilo se filia oficialmente ao PSL na quinta-feira

O deputado estadual Marcelo Nilo, presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, vai se filiar oficialmente ao Partido Social Liberal (PSL) na quinta-feira (3). [Leia mais...]

[Marcelo Nilo se filia oficialmente ao PSL na quinta-feira ]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Matheus Morais no dia 01 de Março de 2016 ⋅ 10:49

O deputado estadual Marcelo Nilo, presidente da Assembleia Legislativa da Bahia, vai se filiar oficialmente ao Partido Social Liberal (PSL) na quinta-feira (3). Ele deixou o PDT após desentendimentos com o atual presidente da legenda, Félix Mendonça Jr., e acabou levando cinco deputados com ele para a nova sigla, incluindo Reinaldo Braga (ex-PR), Euclides Fernandes (ex-PDT), Vitor Bonfim (ex-PDT), Jurandy Oliveira (ex-PRP). Além do secretário de Administração Penitenciária e Ressocialização, Nestor Duarte Neto, que estava no PDT. 

O ato de filiação acontece na União dos Prefeitos da Bahia (UPB), às 11h, no Centro Administrativa da Bahia. 

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...

[Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS]
Política

Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:28 em Política

Eleito em 1989 presidente da República, o primeiro eleito pelo voto popular após a ditadura militar, Collor comandou o país entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment