Política

Lava Jato: investigação não muda após troca de comando no Ministério da Justiça

Após a troca de comando no Ministério da Justiça, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, falou nesta terça-feira (1), que não terá modificações nas investigações da Operação Lava Jato. Quem assume o cargo de ministro é Wellington César Lima e Silva, anunciado na última segunda-feira (29). [Leia mais...]

[Lava Jato: investigação não muda após troca de comando no Ministério da Justiça]
Foto : Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Jessica Galvão no dia 01 de Março de 2016 ⋅ 16:02

Após a troca de comando no Ministério da Justiça, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, falou nesta terça-feira (1), que não terá modificações nas investigações da Operação Lava Jato. Quem assume o cargo de ministro é Wellington César Lima e Silva, anunciado na última segunda-feira (29).

Questionado se a saída de José Eduardo Cardozo e a entrada do atual chefe da Casa Civil na gestão Dilma Rousseff, afetaria as investigações, respondeu: “Não, o Ministério Público é autônomo e independente para investigar”, disse Janot.

Em nota, divulgada também na segunda-feira, delegados federais manifestaram “extrema preocupação” com a troca e afirmaram que “defenderão a independência funcional para a livre condução da investigação criminal e adotarão todas as medidas para preservar a pouca, mas importante, autonomia que a instituição Polícia Federal conquistou”, falou o texto.

Notícias relacionadas

[Bolsonaro será recebido por Trump nesta terça-feira ]
Política

Bolsonaro será recebido por Trump nesta terça-feira 

Por Juliana Almirante no dia 19 de Março de 2019 ⋅ 08:40 em Política

No encontro, os mandatários devem discutir comércio bilateral, parcerias estratégicas no setor militar, além da situação econômica e política da Venezuela.

[Marielle Franco é homenageada na Câmara de Salvador]
Política

Marielle Franco é homenageada na Câmara de Salvador

Por Juliana Rodrigues no dia 19 de Março de 2019 ⋅ 08:20 em Política

A sessão especial foi proposta pelo vereador Marcos Mendes (PSOL) e contou com a presença do pai de Marielle, Antônio Silva Neto