Política

"Eles acenderam em mim a chama de que a luta continua", diz Lula

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se pronunciou nesta sexta-feira (4) após o cumprimento de mandado coercitivo no âmbito da Operação Lava Jato. Ao todo, foram expedidos 44 mandados judiciais, sendo 33 de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva - quando o investigado é obrigado a prestar depoimento. O petista declarou que não era necessária a condução pela força-tarefa da Lava Jato. "Eu vim ao mundo para viver minha adversidade" [Leia mais...]

[
Foto : Reprodução/O Globo/Marcos Bizzoto

Por Matheus Simoni no dia 04 de Março de 2016 ⋅ 14:33

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se pronunciou nesta sexta-feira (4) após o cumprimento de mandado coercitivo no âmbito da Operação Lava Jato. Ao todo, foram expedidos 44 mandados judiciais, sendo 33 de busca e apreensão e 11 de condução coercitiva - quando o investigado é obrigado a prestar depoimento. O petista declarou que não era necessária a condução pela força-tarefa da Lava Jato.

"Eu vim ao mundo para viver minha adversidade. Eu nunca, na minha vida, tive nada fácil. Foi tudo muito difícil. E agora, quando eu pensava em me aposentar e ser apenas cabo eleitoral, eu acho que só existe uma intenção desse comportamento da Justiça e do Ministério Público que foi colocado hoje, que é muito grave", declarou o ex-presidente.

"Eu já fui prestar vários depoimentos na Polícia Federal. Em janeiro, eu estava de férias. Suspendi as férias e fui até Brasília prestar depoimento a convite da Polícia Federal. Portanto, se o juiz Moro ou o Ministério Público quisesse me ouvir, era só ter mandado um ofício que eu ia, como sempre fui prestar esclarecimento. Porque não devo e não temo", afirmou.

Ainda segundo Lula, há um 'espetáculo midiático' entorno da tentativa de incriminá-lo. "Eu acho que estamos vendo que a pirotecnia vale mais do que qualquer coisa. O que vale mais é o show midiático do que a apuração séria, responsável, que deve ser feita pela Justiça, pela polícia, pelo Ministério Público. Instituições que eu, não só valorizo, como sempre valorizei muito quando era presidente. Nunca se investiu tanto nessas coisas como eu investi nas instituições. De qualquer forma, nada disso, diminui a minha vontade. Pelo contrário, eles acenderam em mim a chama de que a luta continua."

Notícias relacionadas

[Economista é indicado para assumir Enem]
Política

Economista é indicado para assumir Enem

Por Alexandre Galvão no dia 21 de Janeiro de 2019 ⋅ 15:55 em Política

Teixeira é professor da PUC-Rio nos cursos de graduação e pós-graduação em Administração