Política

Nova denúncia contra Cunha por contas na Suíça é apresentada ao STF

Uma nova denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), foi apresentada nesta sexta-feira (4), pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, aoSupremo Tribunal Federal (STF). [Leia mais...]

[Nova denúncia contra Cunha por contas na Suíça é apresentada ao STF]
Foto : Agência Câmara

Por Matheus Morais no dia 04 de Março de 2016 ⋅ 17:18

Uma nova denúncia contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), foi apresentada nesta sexta-feira (4), pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao  Supremo Tribunal Federal (STF). A denúncia é relacionada às contas secretas atribuídas a ele na Suíça.

A nova acusação é baseada em investigação aberta no mês de outubro do ano passado contra o deputado, sua mulher, Cláudia Cruz, e de uma de suas filhas, Danielle Cunha. O inquérito apontava indícios de que o deputado teria cometido evasão de divisas, corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Detalhes sobre contas em nome de Cunha e seus familiares foram enviados pelo Ministério Público da Suíça também em outubro do ano passado. Os documentos incluem cópias de passaporte, comprovantes de endereço no Rio de Janeiro e assinaturas de Cunha.

Os investigadores rastrearam o caminho do dinheiro depositado nas contas bancárias, que receberam nos últimos anos depósitos de US$ 4.831.711,44 e 1.311.700 francos suíços, equivalentes a R$ 23,2 milhões.
Os documentos do Ministério Público suíço sobre as contas contêm detalhes como gastos realizados em cartões de crédito, inclusive para gastos pessoais, como um curso de inglês na Malvern College, na Inglaterra, no valor de US$ 8 mil, e para uma academia de Nick Bollettieri, uma das principais formadoras de tenistas no mundo, com pagamento de US$ 59 mil.

Notícias relacionadas

[Desembargador manda soltar Temer e Moreira Franco]
Política

Desembargador manda soltar Temer e Moreira Franco

Por Matheus Simoni no dia 25 de Março de 2019 ⋅ 15:02 em Política

Eles estavam presos preventivamente após decisão do juiz federal Marcelo Bretas, após desdobramento da Operação Lava Jato