Política

“Não botou dinheiro na bolsa, mas permitiu propina”, afirma Freire sobre Dilma

O presidente nacional do Partido Popular Socialista (PPS), deputado Federal Roberto Freire, subiu o tom ao falar da postura política adotada pela presidente Dilma Rousseff (PT) durante a crise política enfrentada pelo governo.[Leia mais...]

[“Não botou dinheiro na bolsa, mas permitiu propina”, afirma Freire sobre Dilma]
Foto : Agência Brasil

Por Bárbara Silveira e Matheus Morais no dia 11 de Março de 2016 ⋅ 09:05

O presidente nacional do Partido Popular Socialista (PPS), deputado Federal Roberto Freire, subiu o tom ao falar da postura política adotada pela presidente Dilma Rousseff (PT) durante a crise política enfrentada pelo governo. Em meio a críticas ao ex-presidente Lula e a forma de governar do Partido dos Trabalhadores, para Freire, mesmo que a presidente negue ter sido beneficiada pelos esquemas de propina, ela foi omissa.

“O discurso de Dilma é da boca para fora. Um dos grandes dramas do ministro da Justiça é que o antigo ministro não controlava a Polícia federal. Ela não facilitou nada, ela tentou impedir da justiça funcionar. Lula hoje é um processado, se ela quiser dar um foro privilegiado a Lula, ela está fazendo a obstrução da Justiça. Lula busca a desmoralização, eu não duvido que ele faça. Dilma pode dizer que não botou dinheiro na bolsa, mas permitiu que dinheiro de propina financiou sua campanha. Não é questão do Executivo, isso é próprio do poder”, disparou em entrevista à Rádio Metrópole nesta sexta-feira (11).

Na avaliação do presidente do PPS, o governo de Dilma e toda a gestão do PT deixaram marcas piores que a administração do ex-presidente Fernando Collor. “O governo Dilma foi muito pior que o governo Collor. Collor só teve dois anos de governo, o PT tem 13 anos, não é só Collor, mas nunca teve na forma desbragada como foi. O governo do PT foi uma quadrilha formada. O governo comprou títulos do governo venezuelano, isso significa prejuízo. São questões como essa. Fala-se dos trabalhadores e usam o governo contra os trabalhadores”, concluiu.

Notícias relacionadas