Política

Dilma se reúne com ministros e avalia efeito das manifestações no impeachment

A presidente Dilma Rousseff reuniu na manhã desta segunda-feira (14) com integrantes da coordenação política do governo, além de ministros indicados por partidos da base aliada. A pauta da reunião, que ocorre semanalmente, ganhou um assunto a mais: a análise dos efeitos dos protestos realizados em todo o país neste domingo (13) no processo de impeachment que tramita no Congresso Nacional. [Leia mais...]

[Dilma se reúne com ministros e avalia efeito das manifestações no impeachment]
Foto : José Cruz/Agência Brasil

Por Stephanie Suerdieck no dia 14 de Março de 2016 ⋅ 12:22

A presidente Dilma Rousseff reuniu na manhã desta segunda-feira (14) com integrantes da coordenação política do governo, além de ministros indicados por partidos da base aliada. A pauta da reunião, que ocorre semanalmente, ganhou um assunto a mais: a análise dos efeitos dos protestos realizados em todo o país neste domingo (13) no processo de impeachment que tramita no Congresso Nacional. Segundo publicação do G1, a petista aproveitou o encontro da coordenação política para traçar estratégias que ajudem a garantir votos mínimos de parlamentares para barrar seu afastamento do Palácio do Planalto.

Segundo a assessoria da Presidência, foram chamados para a reunião desta segunda os ministros José Eduardo Cardozo (Advocacia-Geral da União), Ricardo Berzoini (Secretaria de Governo), Edinho Silva (Comunicação Social), Jaques Wagner (Casa Civil), Gilberto Kassab (Cidades), André Figueiredo (Comunicações), Antonio Carlos Rodrigues (Transportes), Marcelo Castro (Saúde) e Carlos Vieira (interino da Integração Nacional), além dos líderes do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), e no Congresso, senador José Pimentel (PT-CE).

As manifestações deste domingo foram as maiores já registradas contra o governo Dilma. Em Salvador, mais de 20 mil pessoas lotaram as ruas da Barra em protesto, segundo dados divulgados pela Polícia Militar da Bahia (PM-BA). Além da presidente, também foram alvos dos manifestantes o ex-presidente Lula e o Partido dos Trabalhadores (PT). Em todo o país, há informações de que 3,6 milhões de pessoas foram às ruas. Já os organizadores apontam que 6,8 milhões de brasileiros realizaram protestos neste dia 13 de março.

Vale lembrar que o Supremo Tribunal Federal (STF) vai analisar na próxima quarta-feira (16) o recurso apresentado pela Câmara dos Deputados contra a decisão da Corte de barrar o rito do processo de impeachment de Dilma, que havia sido definido em 2015 pela direção da Casa. O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), pretende retomar as discussões sobre a instalação da comissão especial que analisará o caso já no dia seguinte à decisão do STF. O processo está paralisado na Câmara desde o fim do ano passado.

Notícias relacionadas

[Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares]
Política

Governo prepara MP para recadastrar armas irregulares

Por Juliana Rodrigues no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 08:00 em Política

Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, negou que a medida seja uma forma de anistia: "No governo do PT ninguém nunca chamou de anistia, por que vai chamar no governo do...

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...

[Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS]
Política

Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:28 em Política

Eleito em 1989 presidente da República, o primeiro eleito pelo voto popular após a ditadura militar, Collor comandou o país entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment