Política

Ida de Lula a Ministério é "presente de rebaixamento" de Wagner, diz Geddel

O presidente estadual do PMDB, Geddel Vieira Lima, afirmou nesta quarta-feira (16) que a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil é um "presente de rebaixamento" de Jaques Wagner, antecessor de Lula na pasta que faz aniversário nesta quarta. Em entrevista ao Metro1, o peemedebista disse "não é surpresa nenhuma" a nomeação do petista, que não deve mudar em "absolutamente nada" o atual panorama político e econômico do país. [Leia mais...]

[Ida de Lula a Ministério é
Foto : Tacio Moreira/ Metropress

Por Matheus Morais e Matheus Simoni no dia 16 de Março de 2016 ⋅ 15:23

O presidente estadual do PMDB, Geddel Vieira Lima, afirmou nesta quarta-feira (16) que a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o cargo de ministro-chefe da Casa Civil é um "presente de rebaixamento" de Jaques Wagner, antecessor de Lula na pasta que faz aniversário nesta quarta. Em entrevista ao Metro1, o peemedebista disse "não é surpresa nenhuma" a nomeação do petista, que não deve mudar em "absolutamente nada" o atual panorama político e econômico do país.

"Não vejo como Lula possa acrescentar. Eu acho que a única vantagem que tem essa posição é que começa a colocar Wagner no tamanho que ele realmente tem. Ganhou de aniversário esse presente de rebaixamento", ironizou. De acordo com o Geddel, o PMDB deve reforçar o rompimento com o governo, atitude decidida em convenção realizada pelo partido no último final de semana.

"Ela [Dilma] já não presidia nada, ela só tem autoridade, eu já disse. Uma mulher que não pode ir na televisão, não vai. O presidente que não pode ir às ruas, não vai. O país tá certo. O que precisa é terminar esse governo com todas as mazelas que ele tem", declarou.

Notícias relacionadas

[Desembargador manda soltar Temer e Moreira Franco]
Política

Desembargador manda soltar Temer e Moreira Franco

Por Matheus Simoni no dia 25 de Março de 2019 ⋅ 15:02 em Política

Eles estavam presos preventivamente após decisão do juiz federal Marcelo Bretas, após desdobramento da Operação Lava Jato