Política

Florence fala em paz social e diz que erros não justificam o impeachment

Diante dos últimos protestos que levaram milhares de pessoas às ruas em todos o Brasil - divididos a favor e contra o governo petista - além do cenário de crise econômica e política do país, o líder do PT na Câmara dos Deputados, Afonso Florence, acredita que houve erros na gestão da presidente Dilma Rousseff, mas que não justificam o impeachment. [Leia mais...]

[Florence fala em paz social e diz que erros não justificam o impeachment]
Foto : Câmara dos Deputados/Divulgação

Por Camila Tíssia e Matheus Morais no dia 22 de Março de 2016 ⋅ 08:58

Diante dos últimos protestos que levaram milhares de pessoas às ruas em todos o Brasil - divididos a favor e contra o governo petista - além do cenário de crise econômica e política do país, o líder do PT na Câmara dos Deputados, Afonso Florence, acredita que houve erros na gestão da presidente Dilma Rousseff, mas que não justificam o impeachment. A afirmação foi feita durante entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (22).     

"Os erros cometidos em uma gestão macroeconômicas podem ser corrigidas numa gestão macroeconômicas. Entretanto, naquele ambiente de crise mundial, o erro ao fazer as desonerações, alguns tributos que existem há 15, 20 anos, não condicionou o nível de emprego, não condicionou a nada. Houve uma queda de arrecadação, inclusive de estados e municípios. O governo desonerou o IPI e houve desenvestimento nos estados e municipios. A aeconomia piorou e o erro do governo foi não ter condicionado. O que o governo fez? Começou a repor os tributos, principalmente nos mais ricos. Tentou majorar outros tributos, não conseguiu, alguns parlamentares não aceitaram o que a presidente propôs, sob a liderança de Eduardo Cunha", disse.

Florence ainda destacou os ataques nas sedes do PT, PCdoB, e outros e falou que é preciso paz social. "Eu fui ministro de Dilma. Ela é uma mulher intensa. A inflação em relação a tarifa de energia elétrica, ela inteferiu no setor e depois veio a crise hídrica. A postergação do aumento do preço de combustível foi ruim. Teve a crise hídrica e não houve reposição dos mananciais, teve a crise. Quem não gosta de Dilma... Para uma mulher ser presidente do Brasil tem que ser muito forte", falou.

Notícias relacionadas

[Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna]
Política

Decreto da arma ignorou sete sugestões de Moro, diz coluna

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:49 em Política

A sugestão de Moro era mais restritiva: previa a posse para duas armas, e não quatro; não prolongava automaticamente registros já concedidos para dez anos e exigia a comp...

[Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS]
Política

Senador Fernando Collor anuncia filiação ao PROS

Por Clara Rellstab no dia 16 de Janeiro de 2019 ⋅ 06:28 em Política

Eleito em 1989 presidente da República, o primeiro eleito pelo voto popular após a ditadura militar, Collor comandou o país entre 1990 e 1992, quando sofreu impeachment