Política

Neto exalta programa Combinado e diz: “Não adianta fazer educação com perfumaria

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), comentou nesta terça-feira (30) o programa Combinado, que foi lançado nesta manhã. Segundo a Prefeitura de Salvador, trata-se de um plano de 112 ações visando a melhoria da rede municipal de ensino de Salvador nos próximos anos.[Leia mais...]

[Neto exalta programa Combinado e diz: “Não adianta fazer educação com perfumaria]
Foto : Divulgação/ Agecom Prefeitura de Salvador

Por Matheus Morais no dia 30 de Junho de 2015 ⋅ 17:05

O prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), comentou nesta terça-feira (30) o programa Combinado, que foi lançado nesta manhã. Segundo a Prefeitura de Salvador, trata-se de um plano de 112 ações visando a melhoria da rede municipal de ensino de Salvador nos próximos anos.  

De acordo com Neto, o lançamento do programa prova que a educação pode ser prioridade em sua gestão. “De tudo que já foi pensado para a educação de Salvador, esse é o mais objetivo.  Nós procuramos sair das boas intenções e partir para ações muito práticas que tocam o cotidiano de quem vive a educação. É fácil os governantes dizerem que educação é prioridade. Agora, colocar em prática, é bem diferente. O que estamos fazendo com o lançamento do Combinado é mostrar que educação pode ser, sim, prioridade na gestão", afirmou o democrata.
 
"Não adianta fazer educação com perfumaria. Educação é uma coisa séria que exige ações consistentes como essa que estamos fazendo que trará resultados em curto, médio e longo prazo", falou em entrevista coletiva.

Comentarios

Notícias relacionadas

[Ex-ministro do Trabalho era 'fantoche' do PTB, diz PF ]
Política

Ex-ministro do Trabalho era 'fantoche' do PTB, diz PF 

Por Alexandre Galvão no dia 16 de Julho de 2018 ⋅ 14:00 em Política

O documento ainda aponta uma “efetiva participação” da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) no núcleo político de uma organização criminosa

[Empreiteiras encolhem R$ 55 bilhões após Lava Jato]
Política

Empreiteiras encolhem R$ 55 bilhões após Lava Jato

Por Clara Rellstab no dia 16 de Julho de 2018 ⋅ 10:20 em Política

Odebrecht, Andrade Gutierrez, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão, Mendes Júnior e Constran (da UTC) tiveram as receitas reduzidas a um quarto no período