Política

“Vamos lutar até o fim", comemora Wagner sobre a rejeição da PEC da maioridade

O ex-governador da Bahia e ministro da Defesa, Jaques Wagner, comemorou nesta quarta-feira (01) em sua página no Twitter, a rejeição da Câmara Federal, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos em crimes considerados graves.“Vamos lutar até o fim para impedir que esse retrocesso seja aprovado!”, escreveu Wagner que ainda levantou uma campanha utilizando hashtag #ReduçãoNãoÉSolução. [Leia mais...]

[“Vamos lutar até o fim
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Milene Rios no dia 01 de Julho de 2015 ⋅ 13:52

O ex-governador da Bahia e ministro da Defesa, Jaques Wagner, comemorou nesta quarta-feira (01) em sua página no Twitter, a rejeição da Câmara Federal, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos em crimes considerados graves.“Vamos lutar até o fim para impedir que esse retrocesso seja aprovado!”, escreveu Wagner que ainda levantou uma campanha utilizando hashtag #ReduçãoNãoÉSolução.

O ministro da defesa escreveu ainda, que ficou feliz que o bom senso dos deputados prevaleceu. “Depois de muito esforço do governo, o bom senso prevaleceu e a Câmara dos Deputados rejeitou ontem a PEC que reduziria a maioridade penal. Fiquei muito contente ao saber da notícia. Se aprovada, a redução da maioridade condenaria ao abandono uma parcela ainda maior da juventude”

Jaques Wagner declarou que os próximos passos serão agora para a reformulação do Estatudo da Criança e do Adolescente (ECA). "Agora vamos trabalhar para convencer o Congresso e asociedade a respeito da necessidade de reformarmos o ECA. Queremos endurecer a punição para jovens que cometem crimes graves e adultos que usam menores para praticar delitos”, escreveu ogovernador.

Notícias relacionadas

[ACM Neto admite que Haddad já está no segundo turno]
Política

ACM Neto admite que Haddad já está no segundo turno

Por Alexandre Galvão / Gabriel Nascimento no dia 25 de Setembro de 2018 ⋅ 08:43 em Política

Para o democrata, a popularidade de Haddad se deve ao desempenho do partido no Nordeste e à vitória do "discurso do golpe"