Política

“Prepotência e tirania não ficam por muito tempo”, diz Isidório

“Vaidade comigo eu não tenho”. Essa foi uma das frases ditas pelo candidato a prefeito de Salvador para o pleito de 2016, o deputado Pastor Sargento Isidório (PDT), em sua convenção na tarde desta quinta-feira (4) [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Alaine Brasil e Matheus Morais no dia 04 de Agosto de 2016 ⋅ 19:13

“Vaidade comigo eu não tenho”. Essa foi uma das frases ditas pelo candidato a prefeito de Salvador para o pleito de 2016, o deputado Pastor Sargento Isidório (PDT), em sua convenção na tarde desta quinta-feira (4). “Se eu tô pontuando melhor na base do governador, é a vontade de Deus e a bondade do povo de Salvador, que já me botou como o mais votado na história do povo da Bahia. Então são sinais que dinheiro não vence eleição. Que prepotência e tirania não ficam por muito tempo”.

Questionado pelo Metro1 sobre qual o diferencial de sua campanha, Isidório disse que é o fato de ser “voltada às camadas mais carentes”. “A minha campanha vem totalmente das camadas mais carentes. Eu não estaria aqui aos olhos humanos. Eu não seria sequer uma vez deputado, quanto mais três vezes o segundo da Bahia e o primeiro da capital. É a carência que o povo negro igual a mim, que o povo das camadas mais carentes têm, de ter alguém que goste de gente, que cuide de gente e que queira fazer melhor com muito menos”, disse.

Sobre as propostas para a prefeitura de Salvador, caso seja eleito, o deputado foi enfático. “Nossas propostas são plurais. Primeiro que você vai ter que buscar entender e querer melhorar a educação, que é âncora dessa campanha, por causa do mestre Brizola. Então você não pode afastar um projeto político sem educação. É justamente a falta de educação que joga o povo no centro de recuperação de drogas. Você não pode deixar de correr pra cima da questão da segurança pública, porque o derramamento de sangue que nós estamos assistindo em tudo quanto é canto, nada mais é do que o ampliar do tráfico de drogas e um olhar social para conversar, se necessário for, inclusive com os traficantes, para fazer um acordo para diminuir o derramamento do sangue. Você não pode ter a saúde sendo mantida só com maquiagem, com azulejos bonitos e o povo chegando uma hora da manhã no posto médico, e não encontra enfermeira, não encontra médico, não encontra especialistas. São essas perversidades que têm que mudar. E no mais, nós vamos conversando no caminhar sobre lazer, esporte, cultura. E o projeto principal que é 'Tolerancia Zero com Corrupção'. Todo currupto, meter na cadeia e tomar o patrimônio dele, confiscar”, finalizou Isidório.

Notícias relacionadas

[Temer assina decreto de extradição de Cesare Battisti]
Política

Temer assina decreto de extradição de Cesare Battisti

Por Matheus Simoni no dia 14 de Dezembro de 2018 ⋅ 16:54 em Política

Condenado por quatro homicídios na Itália na década de 1970, Battisti estava no Brasil e encontra-se foragido da justiça, segundo a Polícia Federal