Política

“Comigo não tem sacanagem”, diz Neto ao negar má relação com Rui

Sobre a relação com o governador do estado Rui Costa (PT), o prefeito ACM Neto negou qualquer tipo de problema e ressaltou as diferenças na forma de governar entre o atual e o ex-governador Jaques Wagner. [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/Metropress

Por Bárbara Silveira no dia 08 de Julho de 2015 ⋅ 08:42

Sobre a relação com o governador do estado Rui Costa (PT), o prefeito ACM Neto negou qualquer tipo de problema e ressaltou as diferenças na forma de governar entre o atual e o ex-governador Jaques Wagner. “Cada um tem suas qualidades e defeitos como todos nós, o que tenho procurado fazer é de respeito e alto nível institucional. Quando o interesse da cidade está no centro da mesa, a gente tem que se entender”, afirmou.

Para reafirmar a boa relação, o democrata citou a resolução do imbróglio do metrô de Salvador. “Nós desatamos um nó de 15 anos. Comigo não tem sacanagem, não em casca de banana, não fico aprontando para ficar dificuldade, nada disso. O que interessa é o cidadão, não vou deixar de cobrar quando for necessário, mas não vou prejudicar o andamento de coisas importantes na cidade por conta de diferenças partidárias. Houve de fato aproximação do ponto de vista administrativa e assim será até o último dia do meu mandato", garantiu em entrevista à Rádio Metrópole nessa quarta-feira (8).

Notícias relacionadas

[STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa]
Política

STJ torna Luiz Caetano inelegível pela Lei da Ficha Limpa

Por Matheus Simoni no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 14:40 em Política

Condenação se deu por causa de irregularidades na contratação da Fundação Humanidade Amiga (Fhunami), feita no período em que petista foi prefeito em Camaçari

[Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral]
PolíticaELEIÇÕES 2018

Alckmin sobe tom contra Bolsonaro em propaganda eleitoral

Por Juliana Rodrigues no dia 21 de Setembro de 2018 ⋅ 09:20 em Política

Campanha do tucano atacou proposta de Paulo Guedes e associou polarização à transformação do Brasil em uma "nova Venezuela"