Política

"Chegou a crise, estávamos preparados", diz Souto sobre finanças da prefeitura

O secretário municipal da Fazenda, Paulo Souto, falou sobre as finanças da Prefeitura de Salvador em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (9). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Matheus Morais no dia 09 de Agosto de 2016 ⋅ 08:52

O secretário municipal da Fazenda, Paulo Souto, falou sobre as finanças da Prefeitura de Salvador em entrevista à Rádio Metrópole, na manhã desta terça-feira (9). Segundo Souto, o Executivo consegue manter 27% de investimentos na área da educação e 19% na saúde. "Querer apresentar números de uma forma incorreta não resiste. Na medida que você constrói oito unidades de postos de saúde da família, creches novas, isso vai ser afetado no custeio da prefeitura. Esperamos, por exemplo, que o Ministério da Saúde faça com o Hospital Municipal o que faz com todo mundo", afirmou. 

Na oportunidade, Paulo Souto também contou que o ex-senador Antonio Carlos Magalhães não gostava muito de gastar. Além de falar sobre seu trabalho à frente da Secretaria da Fazenda. "Eu me lembro uma vez que estávamos em Brasília, fomos almoçar, ele tirou do bolso um talão de cheque velho, quase não valia mais. Mas, ele pagou", disse. "Meu trabalho é muito facilitado pelo prefeito ACM Neto. Evidente que eu tenho essa tendência de gastar o que tem para gastar. A prefeitura está assim porque a adminstração foi feita de tal forma que quando chegou a crise, estávamos preparados, essa é a diferença. A prefeitura ganhou capacidade de execução, que no princípio tinha pouca. A prefeitura é capaz de gastar o que tiver e mais do que tiver, é um esforço que vale a pena", disse

Notícias relacionadas

[Bolsonaro será diplomado nesta segunda]
Política

Bolsonaro será diplomado nesta segunda

Por Alexandre Galvão no dia 09 de Dezembro de 2018 ⋅ 17:00 em Política

Os diplomas são assinados pela presidente do TSE, ministra Rosa Weber, que abre a sessão solene e indica dois ministros para conduzirem os eleitos ao plenário