Política

Deputado critica lentidão para cassar Cunha: "Se fosse Olimpíada ganhava ouro"

O deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) foi entrevistado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta sexta-feira (12), e comentou o andamento de processos importantes na Câmara, como a votação da cassação do ex-presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ). [Leia mais...]

[Imagem not found]
Foto : Agência Brasil

Por Gabriel Nascimento e Matheus Morais no dia 12 de Agosto de 2016 ⋅ 09:38

O deputado federal Chico Alencar (PSOL-RJ) foi entrevistado por José Eduardo, na Rádio Metrópole, na manhã desta sexta-feira (12), e comentou o andamento de processos importantes na Câmara, como a votação da cassação do ex-presidente Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Para ele, a sessão marcada para o dia 12 de setembro, representa uma certa "lentidão" da Casa. "É algo impressionante. Se fosse Olimpíada já tinha ganhado o ouro, a prata e o bronze", afirmou.

"A Câmara continua vivendo um momento difícil, distante do anseio da população que vive um sistema política desse jeito que está", acrescentou. Alencar diz ainda que o presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ), de um certo modo, beneficia Cunha. "[Ele] não quis botar pra votar a cassação de Cunha e marcou para 12 de setembro, que é uma segunda-feira. Geralmente não dá quorum. Isso depõe contra a imagem da Câmara", disse.

"[Cunha] tem uma bagagem grande. Pelo menos 200 deputados são influenciados por ele, a maioria do PMDB. Ele teve também uma ligação com o Michel Temer. Ele é detentor de muitas informações. O Rodrigo Maia vive dizendo que Cunha nunca pagou um jantar para ele, mas era aliadíssimo de Cunha. Cunha tem uma metralhadora giratória e o que municia são as informações que ele tem", finalizou.

Notícias relacionadas