Política

"Nordeste quer respeito", diz Rui sobre renegociação das dívidas dos estados

O governador do estado, Rui Costa (PT), voltou a criticar a renegociação das dívidas dos estados, desta vez, durante o lançamento do mutirão de cirurgias pelo governo estadual, na manhã desta segunda-feira (15). Em seu discurso, o petista pediu respeito à região Nordeste e ressaltou os valores que serão repassados pelo Governo Federal aos estados nordestinos. [Leia mais...}

[Imagem not found]
Foto : Tácio Moreira/ Metropress

Por Matheus Morais e Camila Tíssia no dia 15 de Agosto de 2016 ⋅ 11:59

O governador do estado, Rui Costa (PT), voltou a criticar a renegociação das dívidas dos estados, desta vez, durante o lançamento do mutirão de cirurgias pelo governo estadual, na manhã desta segunda-feira (15). Em seu discurso, o petista pediu respeito à região Nordeste e ressaltou os valores que serão repassados pelo Governo Federal aos estados nordestinos. "O Nordeste não quer injeção, quer respeito. Porque o que foi feito nos últimos anos, foi uma política de incentivo fiscal para preservar as industrias instaladas no Sudeste do país, para preservar maciçamente os empregos no Sudeste do país.  Quem pagou a conta não foi o governo federal somente, quem pagou a conta foram os estados e municípios dependentes das  transferências. Foi feito uma política da manutenção da economia, diminuindo os repassasses para os estados e municípios, que afetam o nordeste, porque tem economias mais frágeis. Enquanto estados como São Paulo, o Fundo de Participação dos estados (FPE) chega a 10% de sua receita total, tem estados do Nordeste que chegam a 60% de sua receita do FPE", ressaltou. 

"Nesse volume que está sendo feito a renegociação da dívida, pasmem vocês, 91% do dinheiro do benefício será destinado aos estados do Sul e do Sudeste. O Nordeste inteiro, o Norte inteiro e o Centro-Oeste inteiro somados chegam a 9%. O Nordeste sozinho vai ter 4% desse benefício. A população do Nordeste representa 28% da população brasileira. Por isso, que eu disse que o Nordeste precisa de respeito. Porque desse pacote, 28% devia ser para o Nordeste, precisamos de respeito no diálogo. Quero reiterar que o povo da Bahia está observando as votações, porque estou pedindo aos meus três senadores que não votem esse projeto. Chega de repetir a a história do Brasil, que o dinheiro só vai para estados ricos. São Paulo vai receber desse pacote, R$ 500 milhões por mês. Eu não considero justo, não é razoável, não tem bom senso", completou. 

Os governadores alegam falta de recursos para honrarem as parcelas de suas dívidas devido à crise econômica, que fez cair a arrecadação com impostos.

Notícias relacionadas